quarta-feira, abril 26, 2017

Mais 25 de Abril - para além de Santarém e região de Lisboa


No ano passado, já no dia 26 de Abril, escrevi que pretendia continuar com a tradição de todos os anos aprender algo mais sobre o 25 de Abril de 74, nomeadamente mais sobre as operações e acções que decorreram nesse dia (ou as prévias de preparação) e sobre as outras unidades e pessoas envolvidas para além dos oficiais no Posto de Comando da Pontinha, liderados por Otelo Saraiva de Carvalho, e as forças da Escola Prática de Cavalaria (EPC) comandadas por Salgueiro Maia.
Ao pesquisar sobre o tema fiquei surpreendido por saber que muitas outras unidades, de vários pontos do país, foram accionadas pelo MFA no 25 de Abril.
E por volta da mesma hora em que se reunia o MFA com a Junta de Salvação Nacional vou falar agora das unidades a Norte de Santarém e a Sul da Região de Lisboa que participaram nas operações do Dia da Liberdade.

sexta-feira, abril 21, 2017

Palavras deles, não minhas (ou O post da basófia)


Eu já aqui deixei comentários que clientes deram sobre o meu trabalho. E já escrevi um desabafo da basófia e um post do mau feitio (que não tem nada a ver com os outros, é só por causa do título). Desta vez vai ser um post da basófia sem usar mais palavras minhas para além desta introdução:

terça-feira, abril 18, 2017

Fui um bom menino


Tirei o dia de hoje de férias e como escrevi no Facebook passei o dia com a mulher nas compras. Primark, C&A, H&M e Zara. E também fomos ao banco, por 2 vezes o que nos impediu de fazer ainda mais compras, para tratar de 3 assuntos mas só deu para tratar de 2, sendo que o segundo não estava pensado inicialmente. Mas ignorando o banco, tirar-se férias para ir com a mulher comprar roupa é capaz de ser considerado bom comportamento masculino.
Mas não foi exactamente por hoje que eu fui um bom menino.

segunda-feira, abril 10, 2017

Quem é que ainda preenche o Modelo 3 em papel?


A Vera do Love Adventure Happiness fez este post para falar da consignação de impostos a uma instituição, apelando por isso à solidariedade, mas como eu sou parvo o único comentário que fiz foi a pergunta que no título, baseando-me apenas na imagem que ela escolheu (duma declaração em papel das cor-de-rosa, ou vermelho claro, como na minha imagem) e ignorando o conteúdo.
A Vera respondeu que com certeza muita gente mais velha e nessa altura a minha pergunta que era apenas de provocação tornou-se genuína: nos tempos de hoje em que os serviços online abundam e muitas pessoas têm acesso à Internet e usam-na mesmo, quem (pessoas singulares) é que ainda preenche e entrega o Modelo 3 (e anexos) do IRS em papel?

sexta-feira, abril 07, 2017

Pensar em Holandês

Uma pessoa que fala várias línguas durante o dia começa a partir de certa altura a pensar também em várias línguas. Nos dias de hoje, com o inglês a estar presente no dia-a-dia de muita gente, seja na música, nos filmes e séries ou a navegar pela Internet acredito que já muitas pessoas pensam em inglês também mesmo não falando a língua durante o dia.

No meu caso, o inglês já faz parte do meu dia-a-dia há mais de 20 anos, mas não só. Como nasci em França e ia lá de vez em quando, o francês também se tornava presente aqui e ali. E uma coisa que nos acontece quando estamos rodeados por outra língua é que começamos também a pensar nessa língua.

terça-feira, abril 04, 2017

Adoro este poema (ou letra)

É mais conhecido por ser uma letra duma música, mas para mim é um excelente poema em si mesmo, que mesmo dito em declamação e sem música, é igualmente soberbo. E o texto funciona muito bem também em prosa.
Apesar de fazer recurso a várias figuras de estilo, aquela que eu gosto particularmente é a anáfora, uma das minhas preferidas figuras de estilo e que eu próprio uso muito no dia-a-dia (se calhar tanto que já é mais um vício da linguagem do que um simples uso da figura de estilo).

Mas sendo uma letra duma música, tenho de deixar um vídeo duma interpretação e escolhi esta, que ouvi pela primeira vez antes de partilhar agora aqui, porque gosto da voz do Zambujo e tem o magnífico Yamandu Costa na guitarra:

quarta-feira, março 29, 2017

Considerações sobre as eleições holandesas

As eleições para a câmara baixa do Parlamento holandês já foram há 2 semanas mas eu só agora consegui arranjar tempo suficiente para abordar os resultados. Como passou tanto tempo não vou fazer uma análise muito detalhada nem tecer grandes opiniões, vou-me focar sobre algumas particularidades dos resultados, uma análise da distribuição e demografia dos votos, e falar do que vai ser, aliás do que já começou a ser discutido desde que os resultados foram confirmados.


Porque é que tantos partidos elegem deputados se os lugares são apenas 150?
Para quem está habituado ao cenário político de Portugal, onde o nosso Parlamento é composto por 230 deputados, pode ficar um bocado admirado como é que na Holanda com um parlamento com apenas 65% dos mandatos consegue ter 260% a mais de representação das listas a votos (nota: em 2015 apenas 5 das listas a votos elegeram deputados, porque PSD e CDS concorrem juntos, assim como o PCP e o PEV concorreram como CDU como sempre). E sobretudo quando o método para eleger os deputados é o mesmo que o usado em Portugal!