segunda-feira, novembro 21, 2016

Eye fashion


Hoje vou escrever sobre uma trivialidade a meu respeito.
Há 6 anos (e 3 dias para ser exacto), troquei de óculos. Ia começar uma nova vida, era altura de arranjar um novo look pois o anterior já tinha 10 anos certamente. Não foi por saber o salário médio que iria ganhar na Holanda pois esse só soube no dia em que fui buscar os óculos, mas já tinha aceite a oferta de emprego por isso sabia o valor bruto (o que eu não sabia era quanto iria gastar por mês...).

Eu uso óculos desde os 6 anos, por isso já tive muitos pares diferentes. No entanto na minha vida adulta só tive 5. Precisamente os que aparecem na montagem de fotos.

Os primeiros não tenho a certeza de quando comecei a usar mas em 95 tinha estes. Sei que a razão principal para ter mudado para os segundos foi por ter partido os óculos. Essa decisão só deve ter precipitado a troca e na altura fui para os óculos da moda, com as hastes fininhas que quase nem se viam. Foi o par que durou mais tempo, como disse atrás certamente 10 anos, talvez mesmo 11, e que me acompanhou em muitos momentos e fases da minha vida. E estes óculos ainda duram pois as lentes estavam ainda boas quando troquei e guardei-os para casos de emergência e ainda bem que assim foi.

O terceiro par de óculos foram escolhidos com a Carolina e tinham muito bom aspecto. Eram também algo exclusivos pois era uma armação que teve uma produção limitada (só soube mais tarde). Mas não começou bem. Nada a ver com os óculos em si mas a primeira lente direita revelou ter um problema. Ao fim de alguns dias a sentir que havia alguma coisa que me perturbava o olho direito, lá detectaram uma falha na lente direita e tive de esperar uma nova. Isso quer dizer que os óculos que me acompanharam na vinda para a Holanda foram os anteriores, o velho par com 10 ou mais anos.
E os terceiros óculos não duraram muito tempo. Nem 1 ano sequer pois na véspera de fazer 1 ano que os tive, caí a empurrar a mota de um colega e danifiquei os óculos. E não teve arranjo nem tampouco consegui arranjar uma armação igual (foi nesta altura que soube que os óculos eram uma produção limitada).
E lá voltei a usar os segundos óculos durante uns tempos, até comprar a próxima armação...

A quarta armação acabou por ser condicionada: tinha de ser uma onde coubessem as anteriores lentes, pois a grande fatia do orçamento dos meus óculos sempre foram as lentes (25% armação, 75% lentes).
Daí não se notar grande diferença entre os terceiros e os quartos. A diferença mesmo era não serem tão bonitos, nem tão exclusivos, nem sequer terem a mesma qualidade.
Mas lá se aguentaram, quase 4 anos, até que achei que era tempo de trocar de lentes pois ao contrário do meu fiel amigo (os segundos) em que mantive as lentes quase como novas, o mesmo cuidado e tratamento não serviu para as que tinha que em menos tempo ficaram em muito pior estado.

E assim comprei os meus óculos actuais, os quintos da minha vida adulta. Escolhidos apenas por mim, pois tive de ir sozinho.
Como parece ser moda agora, os óculos estão novamente a ficar maiores até porque faz sentido (quanto mais pequenas as lentes, mais área vemos mal quando mexemos os olhos) mas eu não conseguir ir para óculos de massa, para estar na moda (até o Cristiano Ronaldo partilha fotos com óculos de massa). São um pouco mais largos, a armação nota-se melhor mas continua a ser fina e continuam a ser pretos.
De notar que o tipo de lentes que uso (são lentes irregulares sobretudo a direita) não permite usar qualquer tipo de óculos.

Ao contrário de algumas celebridades, como o Cristiano Ronaldo ou o Lewis Hamilton, eu não uso óculos só para o estilo, preciso mesmo deles; e o estilo, olha, é o que se consegue arranjar.
Para a próximo vou pedir os conselhos da minha espécie-de-cunhada (namorada do meu cunhado) que estilo é com ela...

Sem comentários:

Publicar um comentário

Opina à tua vontade