terça-feira, março 29, 2011

Liga das Nações

Já era para ter falado sobre isto há uns tempos mas o assunto foi ficando na gaveta, mas uma coisa que me aconteceu esta tarde trouxe a temática à ribalta novamente.

Estava eu descansado a acompanhar uma reunião mundial pela net, transmitida a partir da costa leste dos EUA para vários centros espalhados pelo Mundo (já o primeiro sinal da globalidade com que lido agora) quando me aparece um senhor, a perguntar se eu era Espanhol ou Português. Ora bem, o senhor chamava-se Bento da Costa, um nome bem português, e ficou a saber da minha existência pela similaridade dos nossos nomes, que reduzindo à maneira holandesa fica B. Costa. Mas apesar do seu nome tão português ele não o é. É Holandês nascido no Suriname (América do Sul), mas realmente a sua família é de origens portuguesas, Braga originalmente, mas que saíram de Portugal ainda no Século XVII tendo ido para o Suriname antes ainda dos Holandeses lá chegarem e depois vieram parar aqui à Holanda pela mesmo ser a potência colonizadora. Lá me esteve a contar o Bento que a sua família tem muita história e que no cemitério da família no Suriname, onde pelo que percebi estão enterrados todos os descendentes da mesma, as lápides ainda estão escritas em português até aos meados ou finais do Século XVIII, tendo-me ele dito que durante 5 gerações a família ainda usava o português!

E foi esta estória com história, que me deu vontade de contar e de falar sobre a tal Liga das Nações com que eu "vivo" nos dias de hoje.
Já por outros sítios onde andei, lidei com uma grande variedade cultural, étnica e racial mesmo, mas quer-me parecer que aqui na Holanda, e pelo menos no departamento onde estou é onde vejo a maior variedade internacional. E quase que me faz pensar que só aqui na Holanda poderia encontrar um local, nascido na América do Sul mas de origens portuguesas...

Só na equipa onde trabalho, tem Holandeses, Franceses, Alemães, Suecos, Indianos, 1 Irlandesa, 1 Dinamarquesa, 1 Italiano, 1 Norte-Americano, 1 Belga, 1 Chinês, 1 Polaco e eu, 1 Tuga!
Mas por exemplo o belga nasceu no Congo, 1 holandês tem origens afro-americanas e outro holandês passou quase toda a vida no Reino Unido.
A irlandesa é casada com um turco, e um alemão é casado com uma sul-africana. Um dos suecos adoptou uma menina directamente da China.

Nas restantes equipa do departamento, temos ainda outras nacionalidades para além das que já falei, como libaneses, marroquinos (bastantes até), camaroneses, espanhóis, egípcios, mexicanos, indonésios, ingleses, turcos (acho eu) e mais alguns africanos e árabes que não sei ao certo o país de onde vêm!

É realmente uma Liga das Nações...

quarta-feira, março 23, 2011

BaKano a Primeiro

Considerando o feedback positivo que tenho encontrado a meus comentários sobre variadíssimas coisas e a aparente concordância que vejo em relação às minhas ideias para a política e governação de Portugal, venho aqui declarar que amanhã telefonarei ao Senhor Presidente da Republica para demonstrar a minha disponibilidade para formar Governo, mesmo com a actual Assembleia.
Estou certo que encontrarei um numero razoável de moças jeitosas para me governar, lembro-me até duma do PS que tinha umas mamas bem jeitosas.
A Sónia Sanfona, também do PS não é nada mal-parecida, e como é lógico não esquecendo a Ana Drago...

Obviamente teria de chamar algumas outras moças com talento, como a jeitosa do BE que já saiu (e cujo nome me falha agora).

Mas estou preparado para me sacrificar em prol da nação.

BaKano For Portugal!

Obcecados com o Tempo

Deixem-me cá partilhar uma dissertação que se formou na minha cabeça enquanto há tempo, antes dos novos tempos que se avizinham a partir desta noite (ou assim eu espero).

De repente apercebi-me que estamos e andamos obcecados pelo tempo. Não o tempo relacionado com momento e duração, mas sim o Tempo da meteorologia.
Porque é que digo que estamos obcecados? Porque estamos sempre a falar do estado do tempo. Dantes pensava que era um desbloqueador de conversa, fazíamos recurso a esse tema para iniciar uma conversa ou para ter algo genérico e intemporal para se falar, mas agora reparo que temos mesmo interesse no estado do tempo e chegamos mesmo a discutir e falar sobre ele apaixonadamente até.

Para além de notar que quando falamos com alguém que se encontra longe, faz-se sempre perguntas do género "E o tempo por aí, está bom?" e na realidade estamos mesmo interessados em saber como está!
Nota-se também deste grande interesse pela quantidade de comentários no Facebook. Várias pessoas publicam no seu mural o estado do mesmo, ou queixam-se ou enaltecem a meteorologia actual.

Presumo que estamos obcecados porque o estado do tempo afecta o nosso estado de espírito, quando está sol ficamos contentes e animados, e quando está chuva e frio ficamos tristes e deprimidos.
Ou se calhar ficamos afectados pelo tempo, porque vivemos obcecados por ele...
Parece ser um caso do ovo e da galinha; o que é que apareceu primeiro, e o que é que realmente influencia a outra coisa?

Pensando melhor, acho que deve ter tudo a ver com o sexo, como aliás não podia deixar de ser (tudo tem a ver com sexo).
Nos princípios dos tempos, a nossos antepassados ficaram obcecados com o tempo pois precisavam de saber se podiam mandar uma real queca ao ar livre, ou se precisavam de arranjar um abrigo para a respectiva, caso estivesse mau tempo. Foi aliás esse o factor percursor da ida as cavernas, e mais tarde originou a construção de abrigos.
Foi tudo por causa das quecas!

Sex makes the world go 'round!

domingo, março 20, 2011

Lados Positivos

Vinha eu no avião, de volta de uma ida a Portugal tipo visita de médico, a pensar que havia um lado positivo de gastar algum tempo em viagens frequentes. E daí veio-me à ideia escrever sobre isso, usando-me como referência, como não podia deixar de ser.

Esta coisa de se dizer que existe sempre algo de positivo no meio das coisas negativas pode até parecer brejeiro, mas é mesmo verdade.

Como comecei eu a dizer, o tempo perdido nas viagens que faço agora regularmente, tem o lado positivo de me fazer voltar à leitura (eu que cheguei a ser um leitor compulsivo em tempos, chegando a ler obras inteiras em horas na vez de dias); o estar longe da mulher amada tem o lado positivo de dar mais valor a ela e aos momentos passados juntos; o lado positivo de ter de cozinhar quase todos os dias, é que cozinho; o lado positivo de não saber neerlandês (holandês) é que tenho de aprender (nem que seja aos poucos); o estar fora de casa tem o viajar como lado positivo; o lado positivo das zangas é o momento da reconciliação.

Até nesta desgraça que é a crise da central nuclear de Fukushima no Japão, tem um lado positivo, o trazer de novo a discussão do nuclear e o fazer muitos países repensar na segurança das (muitas) centrais nucleares que estão por este mundo fora.

E finalmente, o estar para aqui desterrado e a modos que sozinho sem nada para fazer, tem como lado positivo o ter tempo para escrever pela net (Fóruns, Twitter, Facebook, e este blog)!
Bem se calhar isso até é negativo...

terça-feira, março 15, 2011

Correio da Manhã, Jornal Nacional e ainda Nós por Cá

Se fosse a escrever sobre os últimos acontecimentos, e que realmente têm ocupado grande parte do meu pensamento, este blog seria mais uma espécie de Correio da Manhã, ou o Jornal Nacional da TVI.

Primeiro porque são desgraças atrás de desgraças, obviamente começando no Japão, mas o país está também em si numa desgraça com a desgraça deste Governo.
Temos manifestações, notícias do arco da velha e futebol, não podia faltar o futebol.
Também tinha comentários que ouvi e li que são uma pérola, dignos de qualquer grande comentador que aparece nos telejornais e escrevem artigos de opinião nos jornais.

A isto junta-se obviamente o mundo cibernético, com o Facebook cheio de eventos e movimentos com o objectivo de mudar Portugal mas cujo real sentido ou se têm alguma acção concreta por trás não consigo perceber! O da manif de Sábado ainda fez a mesma, o que causou um bom impacto na minha opinião.

Para terminar, ainda teria uma dose de "Nós por Cá" para dizer, com problemas relacionados mais comigo, que tenho de aturar a estupidez e mau serviço de varias entidades portuguesas que às vezes só dá vontade de ir e chamar nomes a todos os envolvidos!
E até mesmo a tão famosa DECO presta uma excelente ajuda dando a entender que a culpa é nossa por o IMTT ou Registo Automóvel demorar umas semanas a mudar o nome do proprietário quando vendemos o carro, mesmo que o pedido de novo registo tenha sido feito no mesmo dia em que o vendemos!

Mas como não quero que o blog pareça um jornal sensacionalista, não vou falar nada disso.

Talvez conseguirei falar mais tarde sobre a tragédia no Japão, que se são meus seguidores de há muito, sabem que me diz muito e onde estava há 6 anos atrás por esta altura ( houve um terramoto grande e pequeno tsunami mas com muito menos estragos!)

segunda-feira, março 07, 2011

The Chronicles of Paris - The Shower, the Internet and the Train

Não, não estou a pensar em escrever um épico com histórias do fantástico e de mundos incríveis. Se bem que tenho algumas estórias incríveis que poderão ser fantásticas.
Simplesmente fui este fim-de-semana até Paris, melhor dizendo até Val-de-Marne, passar o mesmo com os meus pais. Mas vamos por partes, porque isto contado aos bocadinhos pode ter mais piada:

Part One - The Shower

Curiosamente a minha rapidinha anterior era sobre a temática da bosta, e assim quase como propositado esse tema continua no inicio desta aventura. Cronologicamente não será o inicio mas apetece-me que "crónicamente" o seja.
Estava eu a mandar uma real cagada no WC dos meus pais, a pensar em sabe-se lá o quê (talvez em merda mesmo) e ouvia o vizinho de cima (julgo) a tomar um duche na sua casa de banho. Tem de compreender que é um prédio para aí com 200 anos com paredes de madeira por dentro portanto é normal que se oiça tudo muito bem.
Toca um telefone e sem deixar de ouvir agua a correr oiço isto (em Francês): "Pode me ligar daqui a alguns minutos? Estou a tomar duche".
Eu não sei como é que com vocês, mas um gajo levar o telemóvel para o duche e atender chamadas durante o mesmo é um conceito que me parece incrível. Se um gajo não pode falar tem algum problema deixar tocar? É que imagino que atendendo a chamada para dizer para ligar mais tarde acarreta em custos no originador. Se calhar era esse o plano, atender sempre e dizer que não pode e o gajo assim gasta alguns cobres em chamadas que para nada servem!
E já agora que telemóvel será? Será resistente à agua?

Part Two - The Internet

O meu pai lá arranjou um computador e ao mesmo tempo internet lá para casa. Penso mesmo até que arranjou primeiro a net e só depois o computador. É um portátil.
E obviamente cabe aqui ao je ensina-lo a mexer naquilo e criar contas e configurar programas, e o diabo a quatro.
Coisa que faço de bom grado aliás. Ter os meus pais ligados ciberneticamente até me vai permitir reduzir custos e falar com eles de forma mais interactiva.
O problema é que ainda é um pouco difícil para o meu pai, e a minha mãe, assimilarem todos os conceitos deste novo mundo. O meu pai inscreveu-se num curso de informática, mas basicamente só tem trabalhado no Office. Tinham um dia para iniciação à Internet e o formador faltou e esse sessão ficou por dar. E logo a que mais interesse teria de todas.
Mas pronto, depois de um passeio no Sábado à tarde por terras de castelos e palácios, onde o que mais vi foi motas e motards, lá criei tudo ao meu pai.
Google e Skype já estavam da anterior passagem por lá há 1 mês. Agora foi MSN e Facebook.
Até compramos uma impressora e imprimiu-se logo umas fotos tiradas no próprio dia que também já foram parar ao Facebook
Pais, bem vindos à Internet!

Part Three - The Train

Viajar no Thalys é sempre uma emoção. Ou por ser a primeira viagem e ficarmos admirados do tão relaxante que é e rápida apesar de tudo (já tinha andando há muitos anos e o Eurostar é praticamente igual), ou porque andam por lá trupes manhosa e somos roubados, ou porque nos divertimos a micar o resto do pessoal (e gajas também). Ainda temos a opção do comboio bater em blocos de gelo e ter de ir a metade da velocidade e termos um atraso brutal!
Desta vez o comboio reservou-me 2 surpresas. E tudo na vinda para cá. Primeiro chegamos a Brochelas e o revisor anunciou que a composição estava com problemas técnicos e teríamos de sair todos na estação para mudarmos para um comboio de substituição parado logo à frente na mesma plataforma. Nada demais este percalço porque a operação foi rápida e simples, e sentou-se tudo nas mesmas carruagens e mesmo lugares. O que demorou mais foi o abastecimento do bar.
Depois antes de Roterdão o comboio pára. As luzes apagam-se e diz o revisor que o comboio tinha sofrido um "problema engraçado" e que o maquinista ia reiniciar o mesmo para resolver. Dito e feito, depois de um reset ao TGV (os comboios do serviço Thalys são TGVs) lá voltamos a andar!
Parece que o Thalys usa Windows!
Microsoft: Where do you want to stop today!

sexta-feira, março 04, 2011

Full of shit

É uma expressão inglesa muitas vezes usada em sentido figurado, mais para dizer que um gajo está a dizer mentiras, ou só diz asneiras/bacoradas, ou ainda para dizer que um gajo só tem merda na cabeça (a tradução mais literal para português).

Para mim esta expressão por vezes é mesmo literal. Às vezes I'm so full of shit porque vou ao WC defecar e nunca mais acaba. Nesses casos estou mesmo cheio de merda...

quarta-feira, março 02, 2011

The Brazilian conection

Já tinha eu recebido 2 casos hoje para tratar, e o dia estando a chegar ao fim (o nosso horário acaba às 18:00) quando toca o telefone e eu lá tenho de atender um cliente.
Era um brasileiro. Veio parar a nós porque ele trabalha para uma empresa cuja sede é no UK e assim é a Europa (nós) que trata dos problemas deles.

E assim usei o Português pela primeira vez no trabalho propriamente dito! E o mais curioso disto é que devido a esse cliente brasileiro, entrei em contacto com a equipa de suporte lá (em São Paulo). Ora essa equipa é relativamente recente e gostaria de conhecer a equipa aqui da Europa e tratar de haver mais sinergia entre as 2. Eu sou o único daqui que fala Português para além do mais fui pelos vistos o primeiro elemento daqui a falar com eles.
Estarão abertas as portas a relação com a equipa de lá, desempenhando eu um papel principal nisso? Isso pode ser muito interessante para mim...

Interessante também é que hoje foi dia de eleições aqui nos Países Baixos. Foi para as províncias (aqui onde estou é a Noord-Holland, ou Holanda do Norte) e pelos vistos aqui vota-se em dia de semana e de trabalho. Tal como nos Estados Unidos, a malta faz a vida normal e vai votar ou de manhã, ou ao almoço ou no final do trabalho!

De resto estou muito distraído com o jogo da Taça da Liga que tou a ver que vai aos penaltis...

PS - Afinal não foi que o Javi Garcia marcou quase no final! Estava muito animado o final deste jogo :-)