sexta-feira, setembro 01, 2006

Freak show

Andar nos transportes publicos (metro e/ou comboio) em grandes metropoles é uma experiencia social muito interessante.
Ja' no Japão aprendi muita coisa e conheci novas, sobre os japoneses e a sociedade niponica. Aqui em França a experiencia é mais abrangente porque viajamos com pessoas de varias etnias e raças, vemos uma grande panoplia de caras e cores na mesma carruagem, ouvimos 3~4 linguas "estranhas" a serem faladas...

Mas o mais engraçado é a parte comica de andar nos transportes publicos.
No Japão divertia-me com os diferentes modelos de mascaras para a boca e nariz; com os "zombies" em pé, meios a dormir, num estado de equilibrio precario, prestes a cair a qualquer movimento mais brusco do comboio; com as filas de pessoas com a cabeça deitada nos ombros das pessoas ao lado, sem se conhecerem de lado nenhum; com as caras espalmadas contra os vidros, e os braços e pernas do lado de fora da porta nos comboios abarrotados de gente...

Aqui na França, com uma cultura europeia logo mais comum, não encontro assim tanta coisa diferente para me divertir, mas os comboios e metros franceses também oferecem os seus momentos curiosos.
Para além do prazer que tenho em observar as muitas diferentes pessoas nos seus diferentes comportamentos, volta e meia la' vejo uma ou outra situação mais insolita. Pessoas insolitas, pra dizer melhor...

Noutro dia estava eu sentado a olhar em redor enquanto ouvia musica do meu "fiel amigo" MuVo, e reparo num homem em pé com uma chupeta na boca! Sim, uma chupeta normalissima, do tamanho normal pra bébés, metida na boca e ele aparentemente a xuxar na chupeta! Ele às tantas mete a chupeta inteira na boca e eu fico a pensar se não sera' uma especie de goma ou rebuçado em formato de chupeta! A verdade é que passado um bocado ja' estava com outra, ou a mesma, novamente na boca! Goma, ou rebuçado, ou não, a verdade é que era um adulto a xuxar numa chupeta em plena hora de ponta!

Hoje de manhã, dou de caras com um individuo sentado em frente, oculos de natação(!!) metidos no alto da cabeça (e lentes escuras ainda por cima), olhos semi-cerrados e nariz colado na folha do jornal, a ler o mesmo. E como estava em cima do jornal, a cabeça mexia-se ao longo das frases, qual cabeça de impressão duma impressora de agulhas ou jacto de tinta
bzzzztttt bzzzztttt bzzzztttt ... vuuuft
bzzzztttt bzzzztttt bzzzztttt ... vuuuft
Que figurinha...

terça-feira, agosto 29, 2006

Coisas da bola

A semana passada foi interessante em termos futebolisticos. Começou logo com o Glorioso a apurar-se para a fase de grupos da Liga dos Campeões, tornando possivel a Portugal estar representado na competição maior de clubes, eu digo mesmo do mundo porque é a mais mediatica e a que da' mais dinheiro, com 3 clubes. Para mim é mais um claro sinal que o futebol portugues tem evoluido, notando-se isso quer a nivel de selecção, quer a nivel de clubes. Ja' ha uns anos eu contrariava aqueles que diziam que o campeonato estava cada vez pior (diziam isso pq os grandes começaram a perder mais pontos com os pequenos) e qd eu referia que isso era bom pq mostrava uma nivelação dos clubes, eles apontavam que era uma nivelação por baixo. No entanto nos ultimos anos temos visto boas prestações dos clubes portugueses a nivel europeu, liderados obviamente pelo FC Porto que conquistou 1 Taça UEFA e 1 Liga dos Campeões, mas também com alguma contribuição do Boavista (boas prestações na Champions e semifinalista da UEFA), do Sporting (finalista da UEFA) e o Benfica o ano passado a dar tb a sua pequena contribuição com a ida aos quartos tendo eliminado o Liverpool, o campeão em titulo (não sei sinceramente se isso traz alguns pontos de bonus).
E também temos 3 equipas na Taça UEFA, portanto 6 equipas ao todo a disputar competições europeias, tendo ja' sido ultrapassadas as pré-eliminatorias.

O sorteio da Champions foi benevolente com o Benfica, tendo-lhe calhado um grupo claramente acessivel, e acredito sinceramente (olhando para a prestação do ano passado) que o Benfica pode ficar em 1° do grupo sem muitas surpresas. O FCP também não se podera' queixar da sorte, uma vez que o grupo parece ser acessivel, tendo o Arsenal papel preponderante sobre o resultado deste mesmo grupo, pois o Arsenal é uma icognita; quando esta' bem no campeonato, esta' mal na Europa, e vice-versa. E tendo o sorteio corrido bem a 2 equipas, acabou por ser o Sporting a não ter sorte e calhou num grupo muito complicado. Logo porque apanha uma equipa italiana (que para mim é o pior que pode calhar a equipas portuguesas) , o Bayern que é um "gigante" da Europa, e os russos que são sempre "perigosos" (se bem que para mim os ucranianos ainda o são mais).
Mas claro que o futebol não é nenhum ciencia exacta e tudo pode acontecer. No final até poderemos ter um Sporting em 1° do Grupo e um Benfica eliminado, sem sequer ir à Taça UEFA. No entanto não acredito nisso (muito menos o espero, sobretudo a parte do Benfica eliminado!)

Mas o melhor do futebol ainda estava para vir. A Liga Portuguesa ia começar no fim-de-semana, mas no ar ja' pairava a incerteza em relação à despromoção do Gil Vicente. Apesar de a FIFA dizer que no futebol não ha' recursos aos tribunais publicos, o Gil recorreu da decisão da Liga aos mesmos, seguindo alias um conselho dado pela FPF.
Resultado, o juiz (ou juiza) decide suspender a despromoção do Gil, mas diz que os jogos se realizam na mesma, sendo o Gil a jogar na 1° Liga e o Belenenses na 2°! Decisão estupida a do juiz. Obviamente a Liga fez o mais correcto, suspendeu os jogos todos.
Seria realmente ridiculo o Gil estar a jogar na 1° Liga, o tribunal depois dar razão à Liga e ele ser despromovido, tendo no entanto jogado 2 ou 3 jornadas! Como é que seria depois? Portanto a Liga foi contra o tribunal, mas para mim fe-lo correctamente.
Agora esperemos o que o tribunal diz. Mas se o tribunal achar que a Liga teve razão e o Gil for despromovido temos um segundo problema. O Leixões apresentou agora o caso que se o Gil desce, ele é que deve subir à Liga e não o Belenenses permanecer. Vamos a ver no que isto vai dar.
Para mim estou a ver algo do género que aconteceu em Espanha, ha' uns anos. Volta a Liga a ter 18 clubes, e assim fica o Gil e Belenenses, e sobe o Leixões, e vivem todos felizes para sempre.
O problema é que o campeonato ja' começou! A Liga preferiu ir de férias na vez de decidir o caso do Gil com tempo, e agora a resolução do imbroglio podera' ter resultados muito complicados.

Com isto tudo até os resultados desportivos ficaram pra segundo plano, com a curiosidade de os favoritos terem ganho pelo mesmo resultado, 2-1, jogando em casa. E o Jardel, agora a actuar no meu segundo clube, o Beira-Mar, mesmo gordo e fora de forma (mas a recuperar ao que parece) la' voltou aos golos!

E o meu Glorioso? Não jogou, mas contaram-me o festival que se passou no domingo. O Gil foi pra Lisboa com adeptos e tudo, ao que parece mais até do que nos jogos em casa. Como o Benfica não abriu os portões do estadio foram para o Jardim Zoologico. Afinal devia era ser o Passeio Sénior da Camara de Barcelos. Os meus avos também o fizeram no inicio do Verão deste ano.
Mas pq é que o Gil foi para a Luz, tendo a Liga ja' dito que os jogos estavam suspensos? Pq pelos vistos, o Luis Filipe Vieria, na sua "matarruanice" recorrente, disse que o Benfica subiria ao relvado pra jogar, e como o estadio até tinha balnearios a mais, tb podia ir o Belenenses.
E realmente deveria tb ter ido o Belenenses. Assim disputavam um torneio triangular, e o prémio poderia ser um galo de Barcelos gigante, com a cabeça do Major...

Nota: Ja' tenho a imagem do troféu do torneio triangular do Gil, mas não estou a conseguir "publicar" a mensagem no blog. Assim que o conseguir a imagem estara' disponivel para todos verem.

sexta-feira, agosto 25, 2006

Padeiras de Aljubarrota

Estava eu, ja' ha' mais de um mes, sentado na praia, observando os(as) outros(as) veraneantes como eu, quando me dou conta duma realidade historica. Uma grande percentagem das mulheres portuguesas são descendentes directas da Padeira de Aljubarrota.
Não na parte guerreira e da iniciativa que tornou famosa esta heroina nacional, mas sim na arte do pão.
Sim, as nossas mulheres são padeiras. Muitas talvez não farão pão propriamente, mas sem duvida que estão no negocio, no negocio das padarias.

E' facil de comprovar isto. Podemos facilmente observar as padarias das mulheres portuguesas que abundam, então nas praias portuguesas são facilmente distinguiveis. Consegue-se ver que as descendentes da Padeira tendem a abrir a a sua padaria desde tenra idade, e tal como o seu antepessado, são bem sucedidas porque conforme os anos vão passando, nota-se a franca expansão da padaria. Algumas chegam a serem tão grandes que davam para 3 ou 4, mas curiosamente as mulheres preferem ter so' uma grande ao invés de varias mais pequenas espalhadas por outros mercados. Mais uma prova da descendencia da Padeira. Tal como ela são caseiras e gostam de ter a padaria, mesmo que grande, por casa.

Viva o pão, as padarias e as padeiras!

quinta-feira, agosto 24, 2006

Libano, Israel e Hezbollah

Ontem esteve aqui em Paris a ministra israelista dos Negocios Estrangeiros, para falar (fazer pressão sobretudo) sobre a actual situação no sul do Libano e da nova FINUL.
Tendo sido confrontada pelos jornalistas sobre as tacticas duvidosas e beligerantes usadas por Israel, ela respondeu algo do genero:
"Por causa da nossa ofensiva o exercito libanes voltou a ocupar o sul do pais, vai existir uma força internacional a vigiar o terreno e o Hezbollah devera ser desarmado. Se isso acontecer ainda bem que fizemos o que fizemos".

Pensando melhor não se pode deixar de concordar em parte com ela. Uma das coisas que me fez confusão desde o inicio, como é que um pais que estava a ser atacado, invadido e bombardeado, não respondia aos ataques? Eu cheguei a pensar que o Libano ou não tinha exército ou sabia ser uma causa perdida. Mas então descobri que afinal o sul do Libano era controlado pelo Hezbollah, por isso o Libano não reagia, e era o Hezbollah que defendia o "seus" territorio. E se pusermos de lado as perdas humanas e economicas até podemos verificar que esta situação convinha ao governo libanes.

Como estão agora as coisas, acho que é possivel que esta guerra até tenha resultados positivos. O governo do Libano volta a ocupar e a controlar o sul do pais, vinte e tal anos depois, uma força internacional alargada, com um numero e meios suficientes ajudara a isso e podera controlar as fronteiras, impedir o trafego de armas vindas da Siria, e o Hezbollah podera ser desarmado em grande parte, perdendo muito do seu poder ofensivo.
E se realmente tudo isto acontecer, sera uma enorme ajuda para a estabilidade e paz no Médio-Oriente.

Mas temos o "se". Isto porque existe igualmente a hipotese de dar tudo ao contrario. O Hezbollah sai reforçado com esta guerra, alias isso ja esta a acontecer, muitos libaneses por causa de serem atacados por Israel, foram-se inscrever nas fileiras do Hezbollah. A ocupação do sul do Libano e seu controlo pelas forças do governo podera ser fragil e não trazer alterações, assim como a nova FINUL pode nunca atingir os meios necessarios nem ter a coragem politico-militar para exercer plenamente o seu mandato.

E depois temos que a historia recente tem-nos provado que tentar a paz com a guerra, tem-se revelado muito dificil. Vemos que as sucessivas ofensivas militares israelitas apenas servem para fortaceler as organizações terroristas, que ganham mais apoios nas camadas sociais, por causa do odio crescente (e justificado) contra Israel.
Eu digo que o odio é justificado, porque se também bombardeassem as nossas casas, matassem a nossa familia, dessem cabo das nossas vidas, uma e outra vez, qualquer um de nos pegaria numa arma e desejaria matar alguns israelistas...

E depois as justificações que levam Israel a atacar o Libano e/ou os palestinianos são um pouco ridiculas. Quem acredita que o objectivo deles era recuperar os soldados capturados? Por causa de 2 soldados capturados pelo Hezbollah, morreram talvez centenas de Israelitas, maioria civis.
Podemos mesmo pensar que Israel ficou "contente" por ter uma justificação para fazer o que fez, e que provavelmente nunca encontrou os soldados, porque não "queria". A verdade também, é que ao fim de alguns dias, ja ninguem falava nos desgraçados dos soldados capturados (para mim, mais que certos ja mortos em retaliação)...

Estamos portanto agora numa fase muito critica no Medio-Oriente. Mesmo usando os meios errados, podera ser possivel levar estabilidade ao sul do Libano, acabar com o poder ofensivo do Hezbollah e melhorar bastante a estabilidade de toda aquela zona. Mas a comunidade internacional parece temer esta situação. Então a França, que depois de ter obtido uma boa "vitoria" diplomatica ao conseguir uma resolução da ONU para obrigar um cessar-fogo e impor uma força internacional, esta agora muito relutante em enviar mais soldados e criar as bases para a nova FINUL! Toda esta falta de empenho e a pouca acção é muito caracterisitca dos paises europeus, que até podemos dizer "falam, falam, falam, mas nunca os vemos a fazer nada!". E preciso um pouco mais de iniciativa "à americana". Enviem tropas, assumem o comando e dem ordens as tropas pra poderem usar a força para cumprir o mandato, imponham repseito naquela zona, e assim podemos chegar a algum lado.
Agora com medo das represalias ou de não terem ordens claras da ONU para abrir fogo, os politicos europeus retem-se, e apesar de ser compreensivel os seus receios, acabam por compremeter tudo, e assim arriscam-se a perder o jogo, quando ja tinham conquistado o principal trunfo.

quinta-feira, agosto 10, 2006

Duas razões

Eureka! Descobri duas razões porque é que eu ando mais desinspirado. E' que eu quero 2 coisas e ainda não as posso ter, mas ando com o bichininho a morder-me...

Quero um carro novo, e quero uma mota nova! Quer dizer até podem ser usados, semi-novos de preferencia, pq não é o factor novo que esta em conta. São os modelos. Mas o carro vai ser muito dificil encontrar no mercado de ocasião. E' que é uma versão que começou a ser vendida em Julho e ainda por cima faz parte de um nicho, por isso vende-se relativamente pouco qd comparado com outras versões do mesmo modelo.

E que veiculos são esses que me fazem perder a cabeça? Começo pelo carro.

Depois de no ano passado ter trocado o meu fiel Clio 1.4 16V RXE (devidamente melhorado e personalisado por moi-meme) por uma banheira a diesel, rapidamente constatei o facto de que tinha cometido um erro. O erro de seguir a razão e não o coração. Sabem, eu sempre fui fã de pequenos desportivos, sobretudo Clios, e apesar do meu modesto ex-Clio não ser um pequeno desportivo de raiz, estava suficiente melhorado para parecer um. Tanto que fiz varios Track-Days com ele e nunca se portou mal, mesmo partilhando a pista com carros em principio mais aptos para o efeito.
Por isso não segui o meu pequeno sonho de comprar um Clio Sport de ocasião, ja' tinha saido o novo Clio III e ainda não havia versão Sport (ou RS se preferirem), e segui a razão de arranjar um bom negocio com um carro de ocasião a diesel, uma vez que faço bastantes kms.
Mas passados este tempo todo (metade do tempo em que pouco conduzi a minha banheira por estar pelo estrangeiro) estou convencido. Que se lixe a poupança no diesel, eu tenho é que ter um pequeno carro a gasolina, performante pq o que gosto mesmo é de rotações elevadas e pneus a chiar as curvas!
Mas agora que ja' saiu o Clio III RS, e como o novo Clio é um carro bem maior que o anterior e com notoria melhoria na qualidade, e eu preciso de um carro "pau pra toda a obra", agora quero um Clio RS dos novos. Sim, desses com 200cv e uma caixa de 6 velocidades...

E a mota? Bem a troca de mota ja' esta pensada à algum tempo, desde que exprimentei 2 motas de colegas. Sim, eu ja' tenho uma mota, uma Suzuki SV650 de 99, que comprei usada e que gosto. Mas depois de ter exprimentado 2 motas com motores de 1000cc e mais que 2 cilindros, fiquei convencido. A maior cilindrada e sobretudo terem mais cilindros (eu quero uma 4-em-linha, mas uma das que exprimentei é uma tricilindrica) permitem uma maior suavidade na utlização do motor, e curiosamente apesar de serem mais potentes, podemos andar mais "calmamente" (se bem que talvez mais rapido) o que para mim é mais seguro ou pelo menos mais confortavel.
E a mota que quero é uma Kawasaki Z1000. Sempre gostei dela, e ja' vi varias reviews e acho que me assentava que nem uma luva. Mas pq agora estar com o bichinho a morder? Pq se em Portugal é dificil ve-las, sobretuda no mercado de ocasião, no UK e aqui em França são aos montes. Ainda por cima aqui em França ao pé da casa dos meus pais, tem um stand da Kawasaki, que tem muitas!
E eu quero uma!

terça-feira, agosto 08, 2006

Estou desolado

E' verdade. Ja' quase 3 semanas se passaram desde que vim anunciar o regresso do blog à vida activa e eu ainda sem por aqui nenhuma dissertação. Pra além disso, não consigo publicar mais cronicas da viagem ao Japão. Não consigo encontrar as restantes cronicas, sinto que tudo esta' perdido! Que merda...

E porque sera que desde que vim pra França a vontade pra dissertar como que se evaporou? Sera' do pais? Sera' do tempo? Sera' por não ter net em casa e como não estou online não da' vontade de escrever? E dificil saber as razões... So' sei que no outro dia tentei por 3 vezes escrever uma dissertação séria sobre Racismo & Xenofobia (ainda pra mais estando aqui em França que é um dos sitios ideias pra falar disso uma vez que os brancos quase que são a minoria) e acabei por deixa-la a meio pq não estava satisfeito como o texto me saia nem tive paciencia pra continuar. "Rais-ma-parta"...

Bem, não ha-de ser nada. Qq dia estou para aqui a escrever dissertações até dizer chega...

quinta-feira, julho 20, 2006

Fim das proibições...

Julho é o quinto mês do Ano no calendário Romano, que originalmente começava em Março, sendo chamado Quintilis, nome derivado de quintus a palavra latina para quinto.
Em 45 a.C., Júlio César introduz o calendário Juliano, acrescentando dois meses ao Ano - Janeiro e Fevereiro - o que tornou Quintilis no sétimo mês, sendo rebaptizado como Julius em honra de Júlio César.
O Calendário Gregoriano, utilizado actualmente na maior parte dos países ocidentais, foi promulgado pelo papa Gregório XIII a 24 de Fevereiro do ano de 1582, para substituir o calendário Juliano. Mas Julho manteve-se como sétimo mês...

E com esta pikena informação, que duvido que alguém de muito valor, que regresso ao blog e as dissertações. Isto depois de um interregno de... Quantas foram mesmo? Quase 3! Bem, e so' não foi mais porque um fim-de-semana eu ainda escrevi qualquer coisita antes de ir de férias...

Nos ultimos tempos, para além do Mundial 2006, foram também tempos de mudança para mim. Acabaram-se os meus 3 meses de destacamento em Inglaterra, começou o meu destacamento (também de 3 meses) em França logo imediatamente, mas entretanto fui gozar umas merecidas férias de 2 semanas no Algarve junto com a minha cara-metade. Noutra altura explicarei o pq de ir para o Algarve, presumo que as minhas razões são diferentes da maioria das pessoas. Mas isso qd finalmente me decidir a abrir o véu sobre moi memme.

Por isso as Dissertações tem rareado por aqui. Ainda por cima aqui em França so' tenho acesso à net no trabalho, logo vai dificultar um pouco mais a coisa... Talvez entretanto consiga encontrar uma rede WiFi desprotegida de um qq vizinho e me safe...

Bem, a verdade é que espero que com alguma regularidade (mas não tanta frequencia como qd estava no UK) a partir de agora, venha aqui dissertar, que até ja tenho montes de dissertações na cabeça, e outras pré-escritas, e ainda outras prometidas desde o inicio... Mesmo que de noite em casa não tenha acesso à net, posso sempre passa-las para escrito, não posso?

Ah, estava-me esquecendo... Esta "palermice" do mes de Julho que escrevi no inicio, não foi tirada da Wikipédia como alguns pensarão. Recebi-a esta info numa newsletter do meu banco!

domingo, julho 02, 2006

E agora, Portugal?

Cá estou eu de volta, depois de 2 semanas de abstinência de dissertações. Tinha as minhas razões pra isso. As 2 ultimas semanas foram intensas. Estamos em pleno Mundial 2006, e para ele está reservada uma parte importante da minha atenção. Foi também a minha ultima semana duma estadia de 3 meses no Reino Unido e nesta semana que hj acaba foi a minha primeira de uma nova estadia, agora em França.

Por essas razões e provavelmente outras, o blog ficou meio para o esquecido. Mas hj, num dia importante desportivamente falando, estou de volta pra "dissertar" sobre um dos meus assuntos favoritos.

A foto é obviamente bem escolhida. O Ricardo desta vez merece os aplausos. É verdade que um penalti defendido tem muito a ver com o marcador, pq digam o que disserem um penalti bem marcado, com força e colocado é indefensável. O Ricardo defendeu 3, feito inédito no campeonato do mundo, pq os ingleses que os marcaram foram displecentes, mas não lhe tiro o mérito. Acho mesmo que agora merece mais os aplausos do que no Euro 2004. Por isso a foto vai pra ele...

Tenho que vos dizer, que os resultados dos quartos-de-final eram os que eu esperava. Pode parecer que agora venho dar uma de expert, porque estou a comentar depois dos jogos. Realmente tenho pena de não ter posto as minhas previsões no blog antes. Mas alguns conhecidos meus poderiam vos garantir, que esta semana, antes dos jogos eu disse que seria Portugal-França e Alemanha-Italia nas meias. Apesar de não ter dito taxativamente que era Alemanha-Italia, eu disse algo do género, que volto a dizer agora, e que são as minhas previsões para o que resta do Mundial:
Infelizmente, Portugal perde para a França, porque nós não conseguimos ganhar a esses gajos. E depois ficamos em quarto lugar, pq vamos disputar o terceiro lugar contra a Italia, e esses são outros a quem nós não ganhamos mesmo que joguemos 1000 vezes melhor. E a França vai ser campeã pela segunda vez, quando ninguém o esperava.

E foi esta a previsão que fiz esta semana para alguns amigos e colegas de trabalho, que alguns deles até se riram de mim, e afirmaram à "boca cheia" que o Brasil não teria problemas em ganhar à Inglaterra nas meias...

Mas e que tal fazer um retropesctiva? Pode ser... Este foi um campeonato "curioso". Aparentemente nenhuma equipa se impôs a jogar. Durante a fase de grupos apenas uma selecção me pareceu estar realmente forte: a Espanha, mas esses como de costume nunca são de se fiar qd é a sério, e mais uma vez depressa sucumbiram aos pés de uma França que jogou melhor nesse jogo, mas que passou a fase de grupos à justa e fazendo alguns jogos bem fraquinhos! De resto, nenhuma equipa das que estavam nestes quartos tinha demonstrado um nivel realmente superior. Até a Argentina, que depois de ganharem 6-0 à Servia & Montenegro, foi posta num pedestal e muita gente dizia que seriam campeões. Mas a verdade é que tinham ganho à Costa do Marfim à justa e com uma exibição não muita conseguida, empatado com a Holanda, e ganho ao Mexico nos oitavos com muita dificuldade! Pra mim a Argentina (sempre perigosa) não era aquela máquina demolidora que os media diziam depois dos 6-0. O Brasil tb nunca convenceu, e tal como eu pensava foram tacticamente "massacrados" pela França... Portugal tem estado sólido, mas sem convencer também. A Italia é aquela coisa de sempre, aparentemente são bafejados pela sorte, nunca parecem jogar pra ganhar, mas vão ganhando... A Alemanha apesar de ter mostrado falhas nos 2 primeiros jogos vem em crescendo, e parece ser a unica equipa que esta a afirmar-se nesta fase final. Mas por razões de "estilo de jogo", acho que a França vai realmente ser campeã. São tacticamente muito bons (pelo menos agora parecem estar) e os estilos de jogo de Portugal e Alemanha costumam assentar no estilo francês. Já os italianos serão uma pedra no sapato pra qq equipa, mas julgo que os alemães os eliminarão... Se no entanto a Italia for à final, acho que tem 70% de hipóteses de ganhar, seja contra quem for!

Bem, agora vou 2 semanas de férias. Andarei "por aí" a fazer alguma coisa, mas em principio comprarei uma placa 3G pra ter net onde quer que esteja

Mas amanhã não escapa, um mail aos ingleses, que qd saí de lá já me diziam que depois mandariam um e-mail a dar os pesames (isto foi antes do jogo contra a Holanda), mas 2 eliminatórias depois, ainda lá estamos. Agora não posso perder a oportunidade pra mais uma vez mostrar-lhes que apesar de eles terem "inventado" o futebol, nem eles sabem jogar assim tanto, e sobretudo não percebem nem um terço do que pensam (eu estive lá e sei que eles nunca pensaram que o Portugal fosse tão longe e admiravam-se de eu estar contente por ter calhado a Holanda, pois pensavam que a Holanda era indiscutivelmente melhor que Portugal!)... Coitados, são ingleses...

sábado, junho 17, 2006

Um país muito à frente - Parte 1

Aqui há 2 semanas atras, estive doente. Uma amigdalite que esteve a chocar no final da semana, despertou no Sábado e obrigou-me a passar o Domingo de cama, falhando a ida planeada ao circuito de Thruxton pra ver o BTCC (British Touring Car Championship). Mas não estou aqui para falar dos meus males.

Em consequência de estar adoentado, fui comprar remédios. Aqui não é preciso ir a uma farmácia, aliás agora em Portugal tb já não deverá ser, com a nova lei dos medicamentos que permitem aos "hipers" venderem medicamentos sem receita medica. E era mesmo esse tipo de medicamentos que eu iria comprar, uma vez que só tomo umas Aspirinas ou uns Paracetamol's qd me sinto mesmo em baixo. Então fui fazer as compras ao sítio do costume, um hiper-mercado da marca Tesco, que está aberto 24 horas por dia, 7 dias por semana (já um sinal do progresso?), e lá me dirigi a secção dos medicamentos, onde encontrei Aspirina e Paracetamol da marca Tesco. Sim, medicamentos da marca do "hiper". É o mesmo que ir ao Jumbo e comprar uma aspirina da marca Auchan, na vez de ser da Bayer!

Já se sabe que aqui eles usam muito mais genéricos que em Portugal (a acreditar no anuncio que passa nas TV's daí), mas este pequeno sinal (medicamentos de marca branca) a preços da chuva (mais barata uma caixa de 16 aspirinas que um pint de lager!) é mais um sinal que mostra que os tão anunciados 20 anos de atraso pra Europa que nós temos em Portugal tem o seu que de verdade!

Estando aqui a trabalhar nos apercebemos do quanto estamos atrás em muitas coisas que não sobressaiem à primeira vista. Andando por aqui a passear até parece que estamos iguais, aliás melhores, pq temos melhor tempo, melhor senso de moda, melhores mulheres, cerveja mais barata (e melhor), melhor comida, etc...
Mas quando vivemos o dia-a-dia e passamos por experiências de vida aqui, é que a diferença salta à vista!

Deixo uns exemplos pra verem como as mentalidades sobretudo a das "instâncias do poder" estão muito à frente:

Exemplo 1
No mês de Abril, foram anunciados despedimentos aqui na NEC onde estou a fazer o meu destacamento. Claro que eles não dizem que são despedimentos, aqui tal como aí, agora dão nomes "bonitos" às coisas más. A empresa foi alvo de uma reorganização e em causa disso alguns postos de trabalhos foram tornados redundantes. Mas não é por darem estes nomes "floreados" às coisas, que eu considero o Reino Unido um país mais à frente. É pela maneira como fazem as coisas. Os despedimentos (gosto de chamar as coisas pelos nomes) foram anunciados numa Quinta-feira, numa reunião geral (aqui chamada de All Staff) por volta das 11 da manhã. Todas as pessoas da empresa receberam autorização pra irem pra casa e "digerir" as más noticias. Todos, mesmo aqueles que não estavam afectados, pq "apenas" 60 e tal pessoas (das perto de 150 que compunham a empresa) estavam em risco e "só" na ordem dos 35 iriam perder o emprego. Mas aí está uma empresa que percebe o choque que estas notícias podem causar. Uma prova disso é que no dia seguinte, Sexta-feira, esteve presente nas instalações da empresa uma psiquiatra ou psicóloga (fiquei sem saber ao certo o que era) para atender quem quissesse ir desabafar. Dava portanto uma "consulta" de borla, confidencial e dentro das proprias instalações da empresa. Mas tem mais. Pra além disto e mais importante que estas 2 pequenas "ofertas", a empresa pôs ao serviço de todos os que assinaram a rescisão de contracto, uma empresa de recrutamento e aconselhamento profissional. E dentro das proprias instalações e durante uns dias antes das pessoas sairem definitivamente da empresa, quem apresentou a rescisão teve consultas e entrevistas com uma empresa que lhes prestou apoio a preencher CVs, lhes apresentou possbilidades de trabalho, inclusivé poderá ter arranjado novos empregos a quem foi despedido! Portanto vejam bem que apesar de "despedir" trabalhadores, eles aqui pagam para uma empresa arranjar trabalho a quem despede, e durante os dias em que ainda se encontram na empresa!
Estão a imaginar serem despedidos, e a empresa que vos põe na rua a arranjar-vos novo emprego?

Exemplo 2
A ir de carro pro trabalho noutro dia, oiço a seguinte noticia na radio: o parlamento britanico aprovou uma nova lei da emigração, cuja aplicação iria fazer com que centenas, senão milhares, de jovens médicos formados na India e que trabalham em hospitais ingleses, fossem obrigados a regressar à sua terra natal. A associação britanica de médicos, o equivalente à Ordem dos Médicos daí, veio reclamar a alto e bom som, que esta medida devia ter sido repensada, para excluir da lei estes médicos, uma vez que eles a irem-se embora, provocariam uma grande falta de médicos no sector da saúde, uma vez que não ha medicos britanicos que chegue, e as pessoas iriam ser prejudicadas pelo baixar do número de médicos disponíveis. Estão mesmo a ver a Ordem dos Médicos de Portugal, preocupada por existirem menos médicos a operar (e logo estrangeiros formados no estrangeiro!) e preocupada com o bem-estar de quem no fundo os mantém. Eles até podem dizer que sim, mas os seus actos ao longo dos anos falam por si...

Exemplo 3
Este exemplo que vou dar não se nota só aqui, mas por toda a Europa do Norte. Como dizia no principio qd andamos pela rua ou falamos com as pessoas, não dá pra ver a maior riqueza deles, ou essa tal diferença de 20 anos no desenvolvimento que se fala "à boca cheia". Eles vestem roupas iguais ou até piores. As diferenças nos carros (há quem diga que pra se ver a riqueza de um país olha-se para a qualidade das estradas e do parque automóvel) não aparenta ser muito grande (mas isso é até vermos a cilindrada dos carros deles e a dos nossos). Nas casas eles realmente até estão atrás, pois tem casas muito mais pequenas e muito mais caras (e nem por isso mais luxuosas). Então pq é que eles são mais ricos ou estão mais à frente? Simples, eles viajam muito mais do que nós portugueses. Praticamente todo o inglês com salário médio (não é preciso mais) viaja com regularidade para o estrangeiro. E muitas vezes para fora da Europa. Até a Australia ou Estados Unidos. E não é pra visitar a familia e ficar em casa deles, como nós muitas vezes fazemos. Vão para hoteis, alugam carros, e fartam-se de passear e gastar dinheiro.
Pois nós conseguimos ter um carro ao nível deles (se bem com um motor de metade do tamanho) e conseguimos ter casas bem melhores, mas enquanto eles viajam por meio mundo pagando tudo, nós vamos a uma França ou uma Alemanha, pq temos lá familia e aproveitamos o alojamento de borla, que senão nem íamos. Um fenómeno recente e crescente é as pessoas viajarem para um país mais pobre, onde o nosso dinheiro parece que multiplica e permite fazer um pouco da vida que estes gajos aqui fazem em países ricos.
Este ultimo exemplo parece ser mais a falar do atraso de salários do que de mentalidade, mas na realidade mesmo com salários mais elevados, nós ainda temos a ideia que o que é preciso é um carro bom e uma casa grande. Estar a passear por sitios diferentes, exprimentado novos odores e sabores e conhecendo novas culturas, não está propriamente embrenhado na nossa mentalidade. Isto pq o pouco dinheiro que sobra depois de pagar carro e casa, são pra ir pras "belas" praias do Algarve apanhar o "belo" do bronze. Quem é quer saber de passeios mais ecléticos com o mar ali tão perto?

sexta-feira, junho 16, 2006

Mea Culpa

Tenho eu a mania de dar uma de "intelectual" ou "inteligente" e depois tinha escrito no meu profile do Blogger, a seguinte asneira: "vós lerem". que obviamente está errado!

Não o tempo verbal que está, mas "lerem" é a terceira pessoa do plural do verbo ler, no futuro do conjuntivo, enquanto que "vós" define a segunda pessoa do plural. Por isso o correcto é "vós lerdes". E sim, é mesmo lerdes, e não lerdas...

Quero agradecer ao amigo Fonseca (o mesmo da História dos Rollerblades no blog do Português à Solta), por me ter corrigido o erro (que ainda por cima era no profile, que pelos vistos é de pouco interesse pras pessoas).

Pelo meu erro peço desculpa e estou disposto a penar por isso, como a foto indica.

quarta-feira, junho 14, 2006

Ainda sobre o Mundial

Bem, sendo um grande adepto de desporto, de futebol, da selecção Portuguesa, obviamente que o Mundial de Futebol, o maior evento desportivo do mundo de uma unica modalidade (só os Jogos Olimpicos de Verão têm mais audiencia mundial) ocupa por estas alturas uma grande parte dos nossos pensamentos.

Mas volto a falar do Mundial, para falar de um fenómeno que sucede por estas alturas em Portugal. O fenómeno de "todo o Portugues agora é um expert da bola". Só um aparte, os "pseudo-intelectuais", ou "pseudo-idealistas" que por estas alturas criticam a "populassa" de serem terceiro-mundistas por sacarem das bandeiras e de um patriotismo que regra geral não existe, fiquem sabendo que em muitos países do primeiro mundo, acontece exactamente o mesmo! Por isso isto não é um problema da mentalidade portuguesa, é um problema mais da sociedade humana. Mas deixemos isso de lado...

Voltando ao fenómeno "todo o Portugues agora e' um expert da bola". Esta minha dissertação surge por causa de ter lido um artigo de opinião no jornal O Jogo sobre os jogos do Mundial. Artigo esse escrito por nem mais nem menos que: Miguel Esteves Cardoso. Sim, o MEC, o mesmo que participou em A Noite da Má-Lingua, e onde até tinha a sua piada. O mesmo que escreve uns livros com umas caralhadas pelo meio e o pessoal acha porreiro pq diz asneiras. O mesmo, cuja maior virtude nos ultimos tempos é ter tido aquelas 2 gemeas que são bem melhores para ele (para olhos masculinos, claro está).
Desculpem a minha franqueza, mas porque caralho o MEC há-de escrever sobre o Mundial num jornal desportivo?!?!

A razao é pq nesta altura toda a gente se interessa por futebol. E ele ao ser uma personalidade conhecida, aliás escritor com talento, é aproveitado pra tentar vender mais uns jornais à custa dos seus bitaites. Mas depois nota-se logo que ele é produto da circunstancia. Ele fala de futebol agora pq estamos no Mundial. E depois claro sai-se com umas "bacoradas" que para quem está por dentro e/ou segue o futebol internacional com regularidade e interesse, são no mínimo cómicas.

Mas é isto que acontece durante o Mundial. Tal como aconteceu no Euro 2004, todas as pessoas se interessam pelos jogos. E de repente ouvimos aqueles colegas de trabalho que nunca entraram nas discussões das manhãs de segunda-feira sobre o fds desportivo passado, com altas teorias sobre tacticas, os adversários, a arbitragem... Fantástico!
Acontece isto na maioria com as mulheres. Nao é um insulto as mulheres, atenção. Acontece mais com elas, pq as mulheres não se interessam tanto pela bola como os homens, mas depois interessam-se todas pelo Mundial (logo o número de "novos adeptos" femininos é superior aos "novos adeptos" masculinos).

Não tenho nada contra o interesse circunstancial pelo futebol, alias acho "bonito" que as pessoas se interessem pela selecção. Mas infelizmente costuma ser quasi-impossivel assistir jogos com este novo tipo de adeptos! Pq regra geral, stressam muito mais, refilam por tudo e por nada, não percebem os lances duvidosos (não sabem as regras), ficam muito admirados como é que um preto da Costa do Marfim é assim tão bom de bola e causa tanto perigo (estou a dar o exemplo do Drogba)...
Exemplo: Numa jogada de ataque de Portugal, o Deco desmarca o Pauleta que marca um golo mas em posição de fora-de-jogo. Primeiro temos de aturar os berros de jubilo dos "novos adeptos". Depois qd explicamos que não foi golo, é vê-los aos berros "Mas pq? O que é aconteceu?". Qd dizemos que estava fora-de-jogo dizem "Fora-de-jogo o que é isso? Atão ele marcou! Que regra mais estupida". E continua assim durante o jogo todo...
Já pra não falar que até parece que vão ter um orgasmo cada vez que o Cristiano Ronaldo finta 2 gajos, mesmo que ainda só esteja no meio-campo, ou esteja a correr ao longo da linha lateral e não tenha ninguem desmarcado a quem assistir!

Por isso, é que neste fds qd as minhas primas me perguntaram onde eu iria ver o jogo eu disse "Sozinho, em casa!". Não tinha paciencia pra estar a aturar os constantes berros e reclamações pelas coisas mais triviais do futebol. Ia ser muito menos divertido do que ver sozinho. É que sozinho ainda mandei uns berros lá pelo meio, de protesto. Imaginem qts berros seriam se a sala estivesse cheia de "novos adeptos".

terça-feira, junho 13, 2006

E já lá vão 3

Pois é, o Mundial 2006 já começou nesta sexta-feira. Não deu para ver grande coisa do inicio do campeonato. Os jogos do primeiro foram a horas em que me encontrava em viagem. Se bem que ainda deu pra ver parte do Alemanha 4 - 2 Costa Rica, no aeroporto de Heathrow, onde fiquei a saber que cá em Inglaterra existem muitos adeptos da Costa-Rica, e que curiosamente muitos viajavam para vários destinos diferentes, na sexta-feira ao final do dia!

Mas seguiu-se então um fim-de-semana em Portugal, um fim-de-semana cheio de eventos desportivos (nem só de futebol viveu o mundo desportivo), mas o Mundial 2006 domina o pensamento das pessoas que gostam de desporto em geral e de futebol em particular. E foi em Portugal que, vestindo a camisola da selecção para este campeonato, que vi com alegria o primeiro jogo da seleccção Portuguesa.

Falo do jogo começando do fim. Aliás, podia pegar já pelo que foi acontecendo durante o jogo, com os comentadores, por alguma razão que me é desconhecida, estavam sempre a enaltecer Angola e a "rebaixar" Portugal. E foi exactamente no final qd oiço portugueses a dizer que o empate era o resultado mais justo que realmente fiquei a pensar se estava a ver a SIC ou a RTP Africa! Provavelmente, os jornalistas desportivos que ouvi falarem nesse dia, devem ser "retornados" de Angola. É que só pode!

Esquecendo pra já como eu "vi" o jogo, falemos de estatistica. Portugal teve mais ataques, mais remates à baliza, mais possessão de bola, mais jogadas perigosas, mais cantos. Angola fez mais faltas e o guarda-redes angolano fez 6 defesas de bom nivel, contra as 3 defesas "normais" do Ricardo! Pra além disso, podemos ver as ocasiões de golo que Portugal teve, com uma ou duas bolas no ferro, e a bola a "beijar" o poste no primeiro de lance do jogo, rematada pelo Pauleta. Angola sim, fez mais do que se pensava e pôs em sentido a aquipa portuguesa, mas basta ver que durante a segunda parte, teve praticamente zero ataques, tirando aqueles lances finais já qd Portugal estava a pensar no fim do jogo!
E dizer que isto é merecer o empate, ou dizer "o resultado foi muito melhor que a exibição" acho RIDICULO!

Um a Zero é o resultado minimo qd uma equipa joga mais que a outra. E foi isso que aconteceu, Portugal jogou mais que Angola. Não jogou muito bem, por isso ficou 1-0. Se o jogo acabasse com uma diferença superior a 1 golo, aí era bem capaz de concordar que o resultado era lisongeiro.

Mas deixando-me agora de comentar as "estupidezes" dos comentadores jornalísticos portugueses (para que é que ainda falo de jornalistas e comentadores, qd a esmagadora maioria são uns energúmenos que só sabem dizer o óbvio e mesmo assim com gaffes!). Como eu vi o jogo:

Angola jogou bem. Jogou mais do que pensava, não por serem os "pobres desgraçados dos angolanos", e pelos jogos anteriores com Portugal terem terminado em derrotas por 5 e 6 a pouco (zero ou um), mas sim porque vi 2 jogos de Angola durante o seu apuramento para o Mundial, e tinha ficado com a ideia que eram um pouco básicos. Já se esperava boa forma fisica, velocidade, um bom nivel tecnico dos jogadores, mas não esperava tanto rigor táctico. Eles não jogaram nada parecido nos 2 jogos que vi, contra equipas africanas! Mas, como já disse a um inglês hoje, eles estão no Mundial, por isso não podem ser uns "nabos" de todo. Têm que ter bom jogo de bola, sem dúvida.

E Portugal? Portugal não jogou bem, mas jogou mais que Angola. Fez o suficiente pra ganhar, e isso já não é mau. Temos que ver que Portugal sem o Deco perde quase toda a organização de ataque e perde desiquilibrios na frente, que o Deco consegue criar que os outros jogadores do meio-campo não tem tanto talento. O Tiago tb o faz de vez em qd, aliás marca alguns golos no Lyon exactamente fazendo isso, mas não tem a mesma experiência de equipa na selecção. O Cristiano Ronaldo anda enervado. Talvez pelas criticas que lhe têm feito. Onde foi notório essa raiva foi qd recebeu uma assistência em plena grande área e fez um bom remate à baliza mas defendido pelo guarda-redes. Ele ficou realmente fodido! Mas como dizia à selecção faltou criar desiquilibrios na frente, e notou-se alguma displicência geral na equipa, sendo algo lentos sobre a bola e denunciado bastante os passes. Mas também, com uma equipa que parece não tem muito entrosamento, pois os jogadores mudam bastante, não é nada de surpreendente. O que me fez mandar uns berros e umas caralhadas de protesto a ver o jogo, sobretudo na segunda-parte.
Esperemos é que a qualidade do jogo suba com a entrada do Deco e a forma dos outros jogadores tb passe ao nível seguinte. Esperemos que Portugal tenha jogado mais "calmamente" por causa do próprio adversário ser mais acessível. Uma palavra para o homem do jogo (para a FIFA), o Figo. Jogou bem, mostrou sinais que o fizeram ser em tempos o jogador mais caro do mundo, mas dá mesmo ideia que as pernas já não aguentam uma partida inteira. A se confirmar, é um jogador que na mesma pode jogar nos jogos todos, mas ou entra na segunda-parte ou é substituido ao intervalo pelo Simão (assumindo que quando o Deco voltar ao 11 titular, é o Simão que cai fora).

Bem, depois de ter feito o meu comentário ao jogo, e ter dado (mais) uma cascadela aos jornalistas/comentadores, vou continuar a ver o Brasil - Croácia, que está a revelar-se ser um jogo muito emocionante nesta segunda-parte.

quinta-feira, junho 08, 2006

Inteligências e Intelectos

Estava eu a conversar com a minha amiga Susana pelo Messenger, quando às tantas veio à baila o assunto Inteligência. Isto porque a Susana diz que eu não a considero inteligente, e como me considero muito inteligente, acho que ninguém consegue chegar ao meu nivel muito menos uma mulher.

São palavras dela, não minhas. Não quero fazer desta dissertação uma exaltação ao meu intelecto, mas admiti à Susana, que de acordo com a minha definição de inteligência, me considerava mais inteligente do que ela.

Para mim ser inteligente não significa saber muito. Para mim a inteligência de um individuo é muito mais a forma como raciocina, do que o tamanha da sua "base de dados" de conhecimentos. Um exemplo disso pode ser dado entre um jovem principiante que começa num trabalho de gestor de armazém, e partilha o trabalho com um senhor que já o faz para mais de 20 anos. Obviamente que o experiente colega sabe muito mais que o jovem principiante sobre o armazém e os produtos, mas isso não o faz ser o mais inteligente dos 2.
Este é um exemplo básico, que todos concordarão.

A forma de testar o raciocínio de uma pessoa, logo a forma de testar a sua inteligência, é feita à base de problemas lógicos, situações simples e novas nas quais a previa experiencia da pessoa é irrelevante, e o que importa e' saber como a pessoa raciocina de modo a resolver o problema. Foram desse tipo de problemas que me puseram numa entrevista de emprego na Alemanha. Problemas simples, em que a minha experiencia profissional (a "base de dados” de conhecimentos que construí ao longo do tempo) de nada me servia. Os testes apenas serviram para testar a minha forma de raciocinar e resolver os problemas. E é isso que eu considero inteligência.

Acho que todos nós conhecemos exemplos de pessoas que são capazes de estar 3 ou 4 horas a debitar informação disto ou daquilo, passando a imagem de que são pessoas muito inteligentes pois sabem muitas coisas. Mas quando pedimos a essas pessoas pra resolver problemas que eles ainda não conhecem, não dão conta do recado!

Voltando a falar de mim agora, considero-me eu uma pessoa muito inteligente? É uma questão realmente complicada, porque muitas vezes me julgo "o maior", que sei quase tudo e resolvo quase tudo, mas outrastantas vezes reparo que afinal falhei no meu raciocínio e afinal não sou tão bom quanto isso. Por exemplo, na entrevista na Alemanha, falhei redondamente nos problemas logicos que me deram, no meu entender. Dois problemas resolvi mas um bocado "tremidamente", e o terceiro fiquei sem saber nada da resolução! Não fui capaz de propor uma solução, e o homem que me pos o problema também não me deu a resposta!

Então se eu afinal sou fraco a resolver os tais problemas que testam a inteligência, como me posso considerar inteligente?
Simples. Os problemas logicos apenas testam uma forma de raciocínio, o cientifico. E também existe, quer se goste quer não a componente humanistica: as artes, a historia, a filosofia, etc...

Sim, o pensamento logico e cientifico é para mim mais importante. Acho que qualquer pessoa que diga que pode viver sem logica nem ciência, é utópica. Nós precisamos da logica e da ciência pra vivermos no dia-a-dia. Mas as humanidades trazem outra cor à nossa vida. É muito mais dificil testar o raciocínio humanistico de um individuo. Não é uma ciência exacta. Ao contrário dos problemas logicos em que a pessoa ou resolve ou não, nesta área nao existe o certo ou o errado. Mas podemos avaliar esse raciocínio atraves de uma boa conversa. A pessoa pode não ter lido os livros de Kant, pode desconhecer as teorias de Freud, pode nunca ter visto uma obra de Miguel Angelo, mas pode discutir as coisas, e percebe-las e rebate-las. E se o conseguir fazer, seguindo um pensamento constante e fluído, seguindo uma ideia concrecta, então essa pensamento tem raciocinio humanistico.

Voltando a mim, penso eu ser esse um dos principais atributos do meu intelecto. Posso não conseguir resolver os problemas todos logicos, posso não ter apreciado muitas obras de arte, mas consigo compreender, assimilar e discutir sobre quase tudo. Acho que (mais) uma prova disso foi que, apesar de eu, no meu entender, ter falhado nos problemas de logica que me fizeram na entrevista na Alemanha, gostaram muito de mim, acharam que eu seria uma optima mais-valia na empresa e deram-me logo um contracto pra eu assinar (quenão assinei por razões que, quem sabe, um dia detalharei)!

Sou muito inteligente? Acho que não, mas certamente diria que sou "especialmente" inteligente.

Especialmente, porque juntando à minha forma de raciocinar, temos esta parte obscura da minha mente capaz de imaginar coisas do mais absurdo ou ridiculo que seja. Uma insanidade bastante complexa. Ou seja: penso bem e sou maluco da cabeca!

Não são essas as principais caracteristicas dos grandes génios?
Minhas senhoras e meus senhores, acabei de vos apresentar aquela que será a minha maior caracteristica: A Presunção!

terça-feira, junho 06, 2006

Relações

As relações entre 2 pessoas, sobretudo aquelas que duram "até que a morte os separe", para mim, passam sempre pelas mesmas fases. Começam, crescem, evoluem, e terminam sempre de forma igual.

Uma relação, começa com a Fase do Interesse. Sendo irrelevante qual dos lados começa (isto falando duma relação mais tradicional macho-fêmea), a Fase do Interesse é sempre o inicio da relação. Um dos parceiros, e seja porque motivo fôr (presumo que o maior seja de natureza sexual), ganha um interesse no outro, e faz uma abordagem na qual vai aprofundar o conhecimento e verificar se o interesse se manifesta ou se por sua vez, se dissipa.

Não é necessário que os 2 parceiros sejam desconhecidos nesta fase. Muitas vezes já se conhecem, mas o tal interesse surge, e então dá-se o inicio da fase, pois o lado interessado começa a levar as coisas num rumo novo.

Assim que a Fase do Interesse resulta (o interesse cresce e manifesta-se nos 2 lados) entramos na Fase da Paixão. Esta fase também se pode chamar de Fase do Encantamento, eu aliás prefiro este nome. Paixão pq é quando ficamos loucamente apaixonados, e por estarmos apaixonados andamos encantados. Tudo no outro é belo, gostamos de tudo, não vemos defeitos. É tb nesta fase que se começa a ganhar intimidade sexual. Sexo já podia haver desde a Fase do Interesse ou mesmo previamente, mas intimidade na cama ou no acto, é outra coisa. É quando associado ao prazer carnal do acto, aparece o prazer sentimental de se estar a partilhar o gesto com aquele parceiro.

E conforme o amor cresce e a intimidade, a Fase do Encantamento, passa sorrateiramente para a Fase da Dependência Física. Nesta fase é quando ficamos agarradinhos ao outro. Certo que isso parece já acontecer na Fase do Encantamento, mas na realidade a Fase da Dependência Física é pior. Durante esta fase não conseguimos estar sem o parceiro. Precisamos do contacto fisico a toda a hora e instante. Os parceiros saem sempre juntos, nesta altura não existem 2 individuos, já que os 2 parecem ser só 1. É uma das fases piores para os amigos do casal. Eles normalmente nesta altura são insuportaveis, sempre agarradinhos, sempre aos beijinhos, sempre a mandar toques e mensagens no telemóvel quando é fisicamente impossível estar um com o outro.

Depois vem a Fase da Dependência Psicologica. O nome é parecido à fase anterior, mas de modo algum são semelhantes. Nesta fase o casal encontra uma maturidade e já consegue estar alguns minutos, horas, até mesmo dias sem a presença física do parceiro. Agora já nao é preciso estar fisicamente com o outro. Até mesmo no que toca aos prazeres da carne, já não existe aquela "fome" ou "sede" de estar sempre no mesmo. O que sucede nesta fase, é que um parceiro precisa do outro para partilhar tudo o que é importante na sua vida. Algum problema a nível profissional e temos que partilhar com o parceiro. Dar um passeio sem o parceiro pra partilhar as imagens, os odores, os sons, juntos, não tem valor. Mesmo quando vamos fazer qualquer coisa pra nós, pensamos quase sempre no outro, se ele aprovará ou não o que vamos fazer. É a Dependência Psicologica...

Só um pequeno comentário, é nesta fase que eu estou agora, na minha relação.

A Fase da Dependência Psicologica é a mais duradoura das fases apresentadas até agora. Pode durar bastante tempo, mas mais cedo ou mais tarde, aparece a Fase dos Filhos. O casal a uma determinada altura, chega à conclusão que precisa de algo mais na relação. Decidem ter filhos, e depois de uma pequena mini-fase da procriação, eis que os filhos nascem, e entra-se numa vida completamente diferente. Agora já não existe o parceiro. Agora só existem os filhos. Tudo o que se faz é para eles, e por eles. Nesta fase acaba o marido e a esposa, e nasce o termo, mãe e pai. Termo esse que será usado praticamente até ao fim da relação. Normalmente nesta fase, o parceiro não se preocupa com o bem estar do outro. A unica coisa que interessa é os filhos. Na maioria dos casos é a mãe que negligencia o pai, que rebate qualquer tentativa pra voltar a uma fase anterior, com frases do género: "Olha os miudos"; "Não podemos por causa das aulas dos miudos", etc...

E quanto tempo dura a Fase dos Filhos? Dura até o ultimo filho sair de casa para estudar fora, ou tiver idade suficiente pra passar pouco tempo em casa. Nessa altura entra-se na Fase das Desavenças. Depois de anos a fio a viver por e para os filhos, eis que eles já não precisam do pais, e o casal não sabe o que fazer! Passou bastante tempo desde qualquer uma das fases anteriores à Fase dos Filhos, e o casal já não sabe como viver juntos, sem ter os filhos como centro da vida. Começam as desanvenças. Refila-se por tudo e por nada. Nesta altura dá-se o oposto do que acontecia na Fase do Encantamento. Agora tudo no outro é razão pra desagrado, e qualquer coisa que um faça serve de desculpa pra mais uma discussão. Como é possível aguentar uma fase destas? Porque volta e meia volta um "cheiro" das fases anteriores: as férias trazem memórias da Fase da Dependência Psicologica; volta e meia os filhos precisam novamente dos pais, e volta a familiar e confortante Fase dos Filhos. E assim os anos vão passando...

Se o casal resistiu a todas as fases até agora, chega-se à fase final da relação. A Fase da Necessidade. Nesta altura o casal está junto e nem pensa em separação porque precisam um do outro. Ou pq precisam pra ajudar a tratar das enfermidades, ou pq precisam um do outro pra não estarem sós. É que niguem gosta de envelhecer e morrer sozinho...

sexta-feira, junho 02, 2006

Humano

Um casal de pegas rabudas faz o ninho em frente à minha janela
todas as manhãs sou acordado pelo seu intenso grasnar e fico a vê-las trazer pauzinhos com o bico
acho que é um sinal de boas-vindas ter dois passaritos assim expostos na sua intimidade
é como se me dissessem "eis um bom lugar para começar tudo de novo. fazemos-te confiança…"

o marroquino do bar da esquina recebe-me sempre com um rasgado sorriso e um caloroso aperto de mão
de vez em quando oferece-me mesmo as bebidas

está outra vez a chover
chove muitas vezes
uma chuva miudinha, que mal se sente e que não impede ninguém de sair de casa
nestas alturas o céu fica pesado, cor de chumbo, a tocar os telhados
é quando eu mais gosto de ir à deriva, levado pelas sombras que aqui e ali afloram em determinadas ruas

no outro dia encontrei...
Não foi bem uma vista aérea, foi uma coisa estranha, como se estivesse em cima...
Uma espécie de aldeia em miniatura, que eu percorria por dentro estando fora...
É como se olhasse para as minhas botas e as visse dentro dos meus pés, apesar de calçadas...
Era como se eu fosse maior do que o que sou
como se estivesse todo dentro de algo mais pequeno do que eu
dentro e fora em simultâneo, porque ao mesmo tempo que cabia lá dentro era maior do que aquilo em que cabia
uma espécie de ilusão física
de anulação do volume
ou de inibição do impossível
uma abstracção indizível...

Why can't you just get physical like a human

por: Adolfo Luxúria Canibal

quinta-feira, junho 01, 2006

Viva a Greve!

Estou em greve! Quer dizer, não sou bem eu que estou, mas a minha vontade/inspiração de e para dissertar.

Por isso o blog há praticamente 2 semanas não tem novidades. Coisa muito estranha pra quem gosta de dissertar e gosta de escrever. Sobretudo qd tenho meia-dúzia de dissertações já "alinhavadas". Inclusive chego a ter uma dissertação em draft, uma que já partilhei em conversa com 2 ou 3 amigos.
Isto realmente...

Bem, qualquer dia a greve, como todas as greves, acaba e lá volto ao trabalho de escrever as dissertações. Pra quem gosta do blog, que reze para que demore pouco tempo.

sexta-feira, maio 19, 2006

Bateu por trás

Qq coisa entre as 17:45 e as 18:00, ia eu na Oxford Road aqui em Reading, no sentido Oeste, na minha busca por uma loja de peças e acessórios para motas e motards. Seguia devagar, pois a Oxford Road, assim como muitas outras ruas principais de Reading a esta hora, comportava uma grande quantidade de tráfego rodoviário.

Seguindo devagar atrás de um jipe, paramos num semáforo vermelho, mesmo antes da Reading West Station (estação de comboio secundáriade Reading), qd de repente
......PUM......
levo uma sacudidela e penso pra comigo ao mesmo tempo que instintavamente (e felizmente) pisava o travao: "Foda-se! Que caralho de merda?!?!?"
Sim, tinham-me batido por trás. Um Renault Laguna (1ª série, 2ª fase) vermelho, conduzido por um individuo que vim a saber mais tarde ser de raça africana, e doravante designado por O Preto, "esqueceu-se" que ia numa fila e não travou!

Começo logo a pensar: "Brincadeira do caralho! Estou bem tramado com isto agora, estrangeiro com carro alugado e sem franquia zero. Foi o gajo que bateu, mas como é que um gajo faz aqui neste país?"

Saí do carro e O Preto (mesmo africanao, falava mal e tudo) tb, e ele começou logo a dizer que precisávamos tirar dali os carros que estavam a estorvar e começou a dizer que me ia dar o nome e os dados dele e do carro e que eu precisava de lhe dar os meus. Eu disse logo que era estrangeiro, o carro era alugado, e como é que a gente fazia.

Bem, pra não estar aqui a encher com o paleio intermédio que existiu entretanto, resumo a coisa. Atão aqui na Inglaterra funciona assim: os condutores trocam os dados pessoais e do carro. O Preto disse-me que aqui as seguradoras só precisam da matricula do nome e morada do condutor/dono pra resolverem as coisas, e como ele tinha batido por trás, a culpa era dele, a seguradora dele pagava ambos os danos. No entanto ele insistiu que precisava de ter os meus dados e consultar a minha seguradora, para que a seguradora dele pagasse tb o arranjo do carro dele!

Eu estava ali um bocado desconfiado, pq a gente sabe o que acontece aí, até mesmo com Declarações Amigaveis bem preenchidas por ambas as partes, às vezes corre mal. Mas passado uns 5 minutos se tanto, apareceu um policia, que devia estar de passagem e parou, que se limitou a perguntar se estavamos bem, e qd viu que estavamos a trocar os dados, disse que estava tudo bem e foi embora. Obivamente que eu perguntei se era só preciso isto, e ele disse que sim que estava tudo certo. Nem pediu papeis, nem viu seguros, nem mandou arrumar os carros, nem mediu alcool...
Parece que por aqui por defeito tomam-se as pessoas como seres civilizados, que podem resolver as coisas calmamente entre si...

E pronto depois de trocarmos os dados, limitei-me a dizer aO Preto pra ter cuidado porque a ventoínha do radiador parecia estar afectada, e lá arrancamos os 2.

O Peugeot 307, que conduzo agora até á proxima semana, apenas apresenta umas mossas e riscos no para-choques traseiro, apesar da mossa por baixo da placa da matricula ser "grandita".
O Laguna dO Preto ficou com a pior parte do bolo: partiu os farois; o para-choques da frente ficou com algumas partes partidas e tinha uma grande mossa no capot, sobretudo na zona onde esta o losango da Renault.

Acabei por prosseguir a minha busca pela loja, que só depois de 2 voltas encontrei e afinal é muito pequena e não tem o aspecto de loja boa como referido na net por alguns motards em fóruns, e qd voltei pra casa, fui ler o manual da AVIS a ver o que eles diziam pra fazer em caso de acidente (onde fiquei a saber que só devemos/podemos chamar a policia em caso de feridos) e acabei por lhes ligar pra relatar o sucedido. Eles não pareceram muito preocupados, apenas dizeram que se eu quisesse podia ir trocar o carro, e pra depois nessa altura ou qd o entregar preencho um relatório do acidente e deixo-lhes os dados que O Preto me deu. Vou manter o carro nem que seja pra mostrar as feridas de combate ao pessoal no próximo fim-de-semana.

Tempos variaveis

Não sei se já repararam mas nós temos o costume de usar, aquilo a que eu chamo de Unidades de Tempo Variavel.
Usamos no dia-a-dia. Não estão a perceber? E se eu vos dizer quais são as 2 mais comuns unidades de tempo variavel?
"5 minutos" e "2 segundos".
Nao é verdade que as usamos constantemente? E são variaveis. Ora vejam as minhas definições:


5 minutos - Unidade de Tempo Variavel, de extrema versatibilidade. Varia entre o pouco tempo, o algum tempo e até mesmo o muito tempo. Muito poucas vezes usada qd realmente se pretende referir 5 minutos exactos. O intervalo de tempo mais comum é entre o 1 minuto e até mesmo 2 horas.
Exemplos:

- "Vou ali à casa de banho. É só 5 minutos."
(Na realidade demorará 2)

- "Vamos almocar que está na hora."
- "Deixa-me só aqui acabar de mandar um mail; são 5 minutos"
(Na realidade serão 15)

- "É preciso escrever uma carta ao director, podes-me fazer isso?"
- "Claro, faço isso em 5 minutos"
(Na realidade 2 horas depois a carta ainda nem sequer começou a ser escrita!)


2 segundos - Unidade de Tempo Variavel com intervalos bem definidos. Usada para indicar pouco tempo, mas de duração indefinida. Varia normalmente entre os 2 minutos e os 10.
Exemplos:

- "Oh João, vamos embora!"
- "Tou ao telefone. Pera 2 segundos"
(vai demorar 5 minutos pra dar os beijinhos todos à namorada)

- "Tens lume?"
- "Deixa-me ver, só 2 segundos"
(passados 2 minutos lá encontra o isqueiro num dos bolsos do casaco)


Uma utilização comum das UTV, é qd as usamos pra dar a entender que vamos demorar algum tempo a atender ao pedido qd na realidade queremos é que a pessoas vão pedir a outro.
Exemplos:

- "Bruno arranja-me uma pastilha?"
- "Eh pá, deixa-me ver, dá-me 2 segundos"
(E fingimos tar a procura pra ver se a pessoa entretanto pede ao colega do lado)

- "Pedro por acaso tens 5 euros que me emprestes?"
- "Deixa-me acabar aqui uma coisa. Espera 5 minutos e já vejo isso"
(E fingimos estar muito concentrados nalguma coisa enquanto esperamos que ele desista e se vá embora)

Obviamente, como nem toda a gente "estuda" bem a lição, é usual vermos os 2 termos confundidos, e dizer-se coisas como "Espera 2 minutos" ou "Da-me só 5 segundos"
São estas coisas que vao degradando aos poucos a cultura de um povo!

quarta-feira, maio 17, 2006

Fantástico!

SLB! SLB! SLB, SLB, SLB!
GLORIOSO!
SLB!
GLORIOSO, SLB!

.
.
.
.
Pq me apeteceu...

segunda-feira, maio 15, 2006

Zur Eroberung von Deutschland

Hoje é o dia em que o Mister Scolari vai anunciar os convocados para o Mundial 2006.

Todos sabemos a importância do futebol, na sociedade ocidental, sobretudo em regiões como a Europa, a America Latina e até mesmo Africa. É, digam o que disserem, o desporto que mais massas atrai, e o Campeonato do Mundo de Futebol Associativo (é esse o nome correcto do nosso futebol, há muitos outros até o Rugby e' chamado de futebol nas enciclopédias!) é o segundo maior evento televisivo do mundo, logo depois dos Jogos Olímpicos e à frente de, veja-se bem, a final da Champions League da UEFA!

Voltando ao futebol. Pois hoje é o dia em que vamos conhecer os 23 eleitos para irem ao Mundial defenderem as cores da camisola, hoje em dia confundindo-se com as cores de Portugal, tal é a esperança posta no futebol, parece que vamos combater pelo país e tal...

Estou afastado daí de Portugal, não sei como estará o estado de espírito da "populaça", em relação a Selecção e ao Mundial. Eu acho que o pessoal está esperançado e que as expectativas são muitas. Aliás o próprio Scolari estabeleceu uma fasquía mínima: a ida aos quartos-de-final. Não sei se ele entretanto mudou de opinião ou de afirmação (tb não seria de admirar se o fez) mas lembro-me perfeitamente de ele ter bradado aos ceus: "Quero estar entre as 8 melhores selecções do mundo".

A ideia que eu tinha antes de vir pra cá, era que o povo em geral, a maioria melhor dizendo, está esperançado em chegar à final, e jogar com o escrete, vulgo Brasil. Perder com o Brasil na final já seria uma festa na mesma. Não pra mim, mas isso são outros contos...

Estive este fds passado, este que passou portantos, em França, junto com os meus pais a descansar, e descobri que o sentimento geral dos franceses lá em relação à sua selecção e o Mundial é de que não vai dar em grande coisa. Diz-se por aí que os franceses "não são muito da bola" como outros "gajos" de outros paises. Eu acho que eles sao é bem espertos em relação à bola! Sabem o que aconteceu no último Mundial em que entraram como os Campeões Mundias e Europeus em titulo e sairam ao fim de uma semana, sem um golo marcado sequer e só com 1 ponto amealhado!
Além do mais a selecção gaulesa parece ser a "mesma do costume", que não tem trazido grandes glórias pra aquelas bandas ultimamente. Por isso por lá ja se fala que o Mundial só dura 1 semana.
Se alguém diz que a selecção joga mal, alguém responde que "não tem mal é só durante 1 semana". Se alguém diz que o Mundial é mau para a Economia, pq o pessoal quer é ver jogos e não trabalha, alguem responde "não tem mal é só durante 1 semana".
Se por acaso a França aguentar a primeira semana, ja é uma festa, é mais do que o esperado (por parte da "populaça" em geral).

Mas e aí? Como acham que o pessoal vai ficar se Portugal vier embora pra casa no fim da primeira semana, como aconteceu no Coreia-Japão? Até mesmo se for eliminado logo a seguir?
Pois é , eu acho que vai ser foda pró Mister Scolari.
O que vale é como ele vai depois ser anunciado como o novo treinador do Benfica, o pessoal depressa esquece o desaire e fica a sonhar com os títulos que ele irá trazer ao GLORIOSO!
Sim, digo o pessoal pq os do FC Porto ja não queriam o Scolari como seleccionador (ai o Vitor Baia), os do SL Benfica depressa sonham com novas glórias e tão depressa esquecem o passado, e os do Sporting CP... bem, os do Sporting não contam pra nada...

Nota 1: Se querem saber o título desta dissertação, recorram a um tradutor online e traduzam de Alemão pra Inglês ou Português. Espero que saia um título com nexo! Quem souber alemão, obviamente não precisa de tradutor, mas quem é que teve a coragem de ir aprender essa ... lingua?

Nota 2: A escolha da foto não é de todo casual. Aparecem 2 jogadores que jogam lá fora, para não ser tendencioso. Uma estrela da velha guarda (que já nem vai ao Mundial) e o outro provavelmente a melhor jovem estrela da Europa.

Nota 3: Sim, a foto pretende salvaguardar tendências clubísticas, mas o último parágrafo não deixa duvidas quanto às minhas tendências clubísticas. As diferenças de tamanho nos nomes dos clubes, também não é de todo casual.

quarta-feira, maio 10, 2006

"Semitismos" - Uma dissertação sobre somiticos e semitas

Aqui ao meu lado no escritório, mas prestes a ir-se embora, senta-se um indivíduo de raça judaica, que revela a sua verdadeira natureza semitica e somitica.
Há quem pense que as 2 coisas são o mesmo, e numa análise mais profunda da morfologia dos 2 adjectivos eu tb concluí que mesmo não sendo sinónimos, quererão dizer as 2, praticamente a mesma coisa.

Sem duvida que figuradamente, podemos usar uma ao invés de outra. Dizer que um indivíduo é semitico, quando queremos dizer que ele é somitico, resulta numa curiosa figura de estilo, mas temos que usar com algum cuidado pois podemos cair no campo da xenofobia, e isso é outro assunto sobre o qual noutro dia dissertarei...

Voltando ao semitico VS somitico.
Diz-nos a Porto Editora, que semitico é "relativo ou pertencente aos Semitas", e os Semitas são a "raça oriunda de Sem, filho de Noé", o que quer dizer que os semitas são o "povo oriundo da Ásia que, etnográfica e linguísticamente, engloba os Hebreus, os Assírios, os Aramaicos, os Fenícios e os Árabes".

Portanto semitico nada tem a ver com somitico, que, e de acordo com a mesma Porto Editora, é um "indivíduo excessivamente apegado ao dinheiro; indivíduo avarento", ou no caso da utilização como adjectivo significa "que revela avareza; mesquinho; forreta; sovina"

Ou seja, olhando pras definições no diccionário da Lingua Portuguesa, claramente verificamos que são 2 termos distintos. Então pq disse eu no início que em ultima instância e figuradamente são quase a mesma coisa?
Por 2 razões. Primeiro, pq somitico deriva do latim semiticu que quer dizer "judeu;avarento"; e segundo pq uma das características associadas aos Judeus (um dos povos semitas) é a sua grande avareza, daí mesmo os romanos usarem a mesma palavra pras 2 coisas!

Mas... Esperem aí... Tem aqui uma cena curiosa! Atão não é que a definição de semita diz "povo oriundo da Ásia que, etnográfica e linguísticamente, engloba os Hebreus, os Assírios, os Aramaicos, os Fenícios e os Árabes"?
Sim, eu vi bem! Hebreus e Árabes! São ambos semitas...
Os Árabes são muitas vezes acusados de serem anti-semitas, mas eles próprios são semitas! E os judeus? Queixam-se tanto dos anti-semitas e eles próprios tb o são, pois são contra os árabes!
Bem, a verdade é que o termo "puro" de anti-semita com o tempo acabou por querer dizer quase exclusivamente anti-judeu, por isso percebe-se esta estranha confusão nos anti-semitismos.
Mas o próprio ódio, ou melhor, a própria divisão entre Judeus e Árabes não é de estranhar, pq eles são todos primos uns dos outros.
Pra quem não sabe, a Bíblia, na sua versão Antigo Testamento, conta que Abraão teve 2 filhos: Isaac, pai do povo Hebraico; e Ishmael, pai do povo Árabe. E como já disse antes, são descentes de Sem, filho mais velho de Noé (embora algumas teorias afirmam que era o segundo filho), daí serem todos Semitas.
É curioso como etnograficamente e religiosamente, são todos muito "similares". Tal como disse, são todos primos, por isso é que não se entendem, são muito parecidos...
Bem, uma coisa que eu não quero fazer é confundir raças ou etnias com religião. Nem sempre uma coisa é outra, e nós às vezes cometemos o erro de misturar tudo no mesmo saco.

Tenho mais tarde que fazer uma dissertação sobre as 3 maiores religiões de Abraão (existe ainda uma quarta).

Back to the beggining; eu não curto muito o judeu que se vai embora. É assim meio para o "ranhoso", mas por acaso tenho de agradecer o seu feiteio, pois as coisas que faz e que diz, acabaram por me dar material para uma (ou mais) dissertação(ões).

Barbeiros & Restaurantes

Reza a lenda, que pelos meados do seculo 19, existia um barbeiro chamado Sweeney Todd, que cortava a cabeca dos seus clientes e depois, junto com os amigos, faziam umas meat pies, em portugues empadas de carne, que comiam e serviam a outros clientes.

E' uma personagem de ficcao, criada por Thomas Phrest, e que apareceu pela primeira vez num conto de horror chamado The People's Periodical, datado de 21 de Novembro de 1846, mas pelos vistos tornou-se muito popular e ganhou o titulo de lenda antiga.

Bem, na proxima quinta-feira, amanha portanto, vou a um jantar de despedida de um pessoa aqui da NEC que foi dispensada, um termo galante pra dizer despedida. E o jantar sera' num restaurante denominado Sweeney's, abreviatura do nome oficial Sweeney & Todd. E pq e' que o restaurante herda o nome do perverso barbeiro canibal? Pq fica ao lado de uma barbearia.

Pelo sim, pelo nao, nao vou pedir nenhuma meat pie, se calhar o melhor e' pedir peixe, ou pelo menos uma carne branca pra que nao me calha os restos de algum cliente da barbearia...

Nota do autor: Neste post poderao reparar a falta de acentuacao e a substituicao do acento agudo por pelicas nalgumas palavras. Isso deve-se a estar a escrever este post usando um computador com teclado ingles, logo sem os acentos portugueses. Por esse facto peco desculpa a quem nao gosta de ver pontapes na gramatica.

terça-feira, maio 09, 2006

Mmmééééééééé

Contava-me a minha avó noutro dia ao almoço, sobre mais uma história de separação de um jovem casal lá na terra (ainda não casados mas quase), alegadamente por razões de traição por parte de um dos lados qd o meu avô sai-se com esta:

"Sabes, mataram um carneiro lá em casa, e calhou-lhe a cabeça"

Melhor forma de descrever clara e suscintamente o caso não existe!
A velhice é um posto, e quem sabe, sabe.

Eu a partir de agora não quero mais cabeças pros meus lados.

Outro que tal

Não posso deixar de referenciar, até pq faz parte da nossa estratégia mútua de domínio mundial, o blog do meu companheiro "Português à Solta", blog esse denominado muito originalmente de: Português à Solta.

Mas agora a sério. Se apreciam textos bem escritos, originários de uma mente com uma inteligência e percepção acima da média, não deixem de lá passar e ler os (até agora poucos) posts. De certeza que irão gostar.

O "Português" é um última instância o responsável pelo(s) meu(s) blog(s) terem surgido agora e não mais tarde.

Hummmm, se calhar devia ter sonegado esta informação, pois temo que agora o blog dele seja atacavo por comentários ofensivos e insultuosos por causa da minha pessoa.

Mas... Ide lá, leiam, e aprendam com as experiências deste home que sabe umas coisas.

segunda-feira, maio 08, 2006

Era o vinho meu Deus, era o vinho


era o vinho o que eu mais adorava.
Só por morte meu Deus, só por morte
Só por morte eu o vinho deixava



Esta estrofe (sendo que o título é o primeiro verso) , é o refrão de uma música popular que fazia parte de um livrinho compilado pelo Monsenhor Amilcar, de Paçô da Senhorinha, também chamado de Paçô de S. Mateus, e que ele distribuiu ou vendeu (agora não me alembra correctamente) aquando da inauguração do Centro Cultural e Recreativo Senhorinhense e da Capela de S. Macário, tudo isto na bela e esplendorosa aldeia da Senhorinha. Sim, como parece ser óbvio eu confirmo que a Senhorinha é a "minha" aldeia. Mais tarde falarei dela, da minha infância nela e dos Senho Boys...

Bem, mas falava eu de BINHO! Falava porquê? Porque queria eu dissertar um pouco sobre O Reverso da Medalha (título de uma próxima dissertação) onde iria responder a uns certos comentários que surgiram de algumas pessoas, sobre a minha primeira dissertação sobre a puta ... eh pá, escapou-me esta ... da A13.

Só que, sentado aqui ao computador, no apartamento 204, da City Wall House, em Reading, e estando a beber um, corrijo, uns copitos de vinho tinto, Banrock Station - Shiraz Mataro originário do Sudeste Australiano, a verdade é que a vontade pra escrever sobre um assunto tão melindroso como O Reverso da Medalha, foi-se...

Ora, o Banrock Station - Shiraz Mataro, é o vinho cuja foto adorna esta dissertação, quer dizer este post, pq ainda não tenho a certeza que daqui sairá uma dissertação. O mais certo é que saia uma confusão, pois o BINHO é bom, e a garrafa de 75cl está a chegar ao seu fim.
Por falar em fim, deixa-me escorrer as últimas gotas do seu fundo e compor melhor o meu copo que ja se apresenta quase vazio.

Aqui por Inglaterra, encontra-se até bastante vinho à venda. Em qualquer supermercado encontramos uma boa amostra de vinhos, mas não diferem muito uns dos outros. Temos o corredor divido em brancos de um lado e tintos do outro. As secções são sempre as mesmas, vinhos sul-africanos, australianos e neo-zelandeses, californianos e sul-americanos, franceses, italianos e espanhois. Curiosamente ou não uns poucos vinhos portugueses encontram-se na secção espanhola, mas devida e correctamente identificados (vá lá ao menos!).

Mas falemos mais do Shiraz Mataro, da propriedade Banrock Station. Sim, Shiraz é o tipo de vinho, e Banrock a sua marca/quinta.
Diz o seu rótulo que este Shiraz Mataro de 2004 é um vinho macio e suave com um ligeiro sabor "acerejado" e com um toque de carvalho. Combina bem com pasta, carnes vermelhas e com queijos azuis e maduros... Não me perguntem o que são queijos azuis ou maduros. Ou melhor, perguntem sim, para que eu seja forçado a pesquisar e a encontrar as definições para estas categorias aparentemente estranhas de queijos.

Apesar dos meus melhores esforços pra tentar fugir das castas originárias de França e que são muito usadas nos novos países produtores de vinhos, como o Chile, Australia, Califórnia (Estado dos EUA), castas como o Cabernet Sauvignon e Merlot, a verdade é que o Shiraz é tb mais uma casta de origem francesa muito usada por estes novos "monstros" da produção vinícola.
Tenho aqui exprimentado novos vinhos enquanto aqui estou, e digo-vos que tem sido uma experiência muito positiva. Admito no entanto, e espero não estar a ser chauvinista, que não é necessário levar estes vinhos pra Portugal, temos uma variedade grande e de excelente qualidade que satisfaz quase todos os gostos.

Este vinho só tem uma particularidade curiosa, quer dizer não é o vinho, é a garrafa. Não tem rolha de cortiça, nem sequer daquele composto que existe agora a substituir as rolhas de cortiça. Esta garrafa usa uma tampa de rosca, do mesmo género das garrafas de Whisky ou Martini, mas felizmente sem doseador.

E assim foi. Na vez de fazer a dissertação que estava planeada, acabei por deixar os dedos fluirem pelo teclado do portátil a falar de BINHO e outros assuntos relacionados ao mesmo tema.

Amanha vou mudar de ... vinho. Este já acabou, mas felizmente hoje comprei uma garrafa de Merlot californano, colheita classificada de Vintage. Ainda não exprimentei nenhum californiano, e são muito falados.
Depois deste tenho que ir pra um vinho argentino, que é pra completar o ciclo do novos produtores vinhateiros.

Tchim-tchim...

domingo, maio 07, 2006

Nem sei que título pôr...

Estou desinspirado, ou será que é por estar cansado que as dissertações não me fluem do pensamento? As tantas...

Bem estou aqui sentado ao computador, com a TV a dar o resumo da etapa de hoje do Giro de Italia. Sim, gosto de ciclismo, sobretudo de ver as grandes voltas, o Giro, o Tour e a Vuelta. Esta não é a ordem de preferencia, é pura e simplesmente a ordem delas no calendario anual ciclista, pelo menos é esta a ordem nos ultimos anos.

Bem, estava aqui a pensar que deveria escrever mais uns posts no(s) meu(s) blog(s). Bem, num é facil, os posts já estão escritos é só rever alguns erros e corrigir o formato pra aparecerem "bem" no blog. Mas escrever aqui pras "Dissertações" é mais tramado. Quer dizer, escrever não é tramado, é só pensar num assunto, e começar pra aqui...

...
...
...

eh pá, peço imensa desculpa, mas o meu irmão telefonou-me, estive a falar com ele uns minutos largos e agora perdi o fio à meada.

Ora do que falava eu... Ah! Falava do fazer uma dissertação digna de vós, meus fiéis leitores.

Bem resumindo, escrever não é tramado, é só pensar num assunto, e começar pra aqui a dar ao dedo, as ideias vão fluindo, e a dissertação nasce.

O meu maior problema é que eu mentalmente já criei umas dissertações dignas de aparecerem na revista Visão e outros mais internacionais, aliás é preciso pensar em grande. A revista Focus, e um artigo feito pra revista mãe, pra aparecer nos paises todos. E como estava a dizer, já pensei nalgumas dissertações, mas verdade seja dita, não estou inspirado pra pegar nas ideias chaves e desenvolver a dissertação, por isso, sai isto...

Estou pra aqui a escrever umas porcarias, mas ao menos serve pra encher o blog, e quiça, se for muito má, fará com que apareçam alguns comentários menos abonatorios, mas mais vale maus comentários do que nenhuns comentários!

Aproveitava só pra vos dizer que eu estou em Inglaterra, mas apesar de ter as crónicas do Japão, não esperem pelas crónicas de Inglaterra, pq não tenho apontado nada das minhas vivencias por aqui.
Apenas vos queria dizer que estou em Inglaterra, pq um "post" destes, vai aparecer uma dissertação sobre coisas daqui, e sobretudo tb pq aqui não tenho o diccionário de Português instalado no Word, o que faz com alguns erros, sobretudo de acentuação populem pelos meus posts.
Ora eu já esqueci muito das regras de acentuação e gramaticais do nosso Português, por isso recorro sempre a essa ferramentas de correcção ortográficas, que nos são tão preciosas para darmos uma de gajos inteligentes que até sabem escrever sem erros...

Pra já, e enquanto não resolvo essa questão técnica do dicionário do Word, alguns erros continuarão a passar em claro.

Deixem-me só falar de um lugar-comum (acho que não estou a cometer um erro ao usar este termo, mas às tantas...).
Costuma-se dizer que o mundo é pequeno, e a verdade é que frequentemente nos acontecem certos e determinados episódios que provam exactamente isso.
Ora ontem, houve aqui um jantar em Reading (a cidade onde estou, famosa sobretudo pelo seu festival de música) de Portugueses, todos ligados por um passado comum na NEC. Acontece que o nosso amigo Zé Pequeno (Dadinho é o car...lho, meu nome agora é Zé Pequeno, porra!), ia receber uma amiga que vinha de Portugal precisamente ontem. Ora qd ele chegou ao restaurante, descobri que a amiga do Zé era afinal uma ex-colega minha do 7º ano que tb conhecia outro dos presentes no jantar! Claro que o pensamento que nos veio a cabeça foi "Como o mundo é pequeno".

E prontos, foi só uma pikena dissertação, que é mesmo muito fraquinha.

Estou mesmo sem inspiração, acho que tenho de ir dormir, e "dissertar" noutros dias.

sexta-feira, maio 05, 2006

O outro blog


Bem, tenho que admitir que agora não vou escrever nenhuma dissertação. Muito simplesmente vou fazer publicidade ao outro blog da minha autoria.
Sim é verdade, comecei agora mesmo nesta coisa dos blogs, mas como tenho a mania que sou mais que os outros, criei logo 2 de uma só assentada.
Mesmo assim ainda tenho que muito trabalhar pra apanhar esse "monstro" dos blogs, Pacheco Pareira.

Bem, e eu disse que não ia dissertar e já cá estou a dar asas ao intelecto e pensamento dissertativo que abunda na minha grande cabeça (sim é verdade, sou um gajo cabeçudo).

Bem, de volta ao cerne (não cherne) da questão.

Não se esqueçam de dar uma vista de olhos por Japan Meets BaKano (tb está nos Link aqui mesmo ao lado) um blog diferente deste e cujo conteúdo já é conhecido por alguns. Aliás, é por causa deles, dos meus inúmeros fâs (digo inúmeros pq não sei qts são, mas talvez chegue à meia-dúzia) que o blog apareceu, pq me pediram para publicar as minhas histórias, e como sou um gajo altruísta, acho que vcs teem o direito de lerem as mesmas sem terem que pagar por elas (isso e tb pq nenhum editor quis publicar as minhas histórias)

Portantos... Deem la um salto, e fiquem agarrados, que as crónicas vão surgir diariamente...

A A13, a p...ta da A13

10 kilometros a sul de Santarem, no enfiamento do que é chamado de IC10 e depois de passar a ponte Salgueiro Maia sobre o Tejo, eis que surge a A13.
A A13 é uma auto-estrada da Brisa que é previsto fazer a ligacao entre a A2 e a A1 pelo sitio mais directo que pode haver, permitindo uma ligação Norte-Sul sempre por auto-estrada sem ter que passar pela capital, coisa que pra gente do Norte, é capaz de ser bem-vinda.
Mas nao será só isso, permite ganhar minutos e poupar kms, ja nos euros tenho algumas duvidas que se poupe alguma coisa.
Mas a verdade é que a A13 ainda não esta concluida, pelo menos seguindo o plano original, e por isso actualmente ela começa nos tais 10 kms a sul de Santarem.

E assim, ela nasce, e estende-se nos seus gloriosos 74 kms do mais plano e rectilíneo que conheço.

A A13 é uma auto-estrada que uso com regularidade, dado serem tb regulares as minhas idas ao Algarve. E como recentemente la passei, e enquanto la passava, esta dissertação sobre a propria nascia na minha cabeca.

A A13 resume-se a isto, uma ganda SECA! Tal como disse, são 74 kms do mais plano e rectilíneo que existe em Portugal. As rectas de 5 kms são cortadas por curvas com um angulo (ou sera arco?!) de 5 a 10 graus, não mais que isso, o que na pratica é o mesmo que uma recta! E junta-se a isto o plano. Praticamente não se sobe nem se desce. É impressionante! A propria paisagem, pra compor o ramalhete, é extraordinariamente enfadonha. O proprio Alentejo interior que me parecia ser monotono é refrescante qd comparado com esta paisagem semi-ribatejana/semi-alentejana.

Obviamente que mais alguma peças compõem o puzle. A A13 tem pouco transito, muito pouco mesmo, normalmente ultrapasso 1 camião mais um ou outro carro, e sou ultrapassado por não mais que 2 durante os 74 kms que dura ir de uma ponta a outra. E não temos nenhuma estação de serviço a meio, que pelo menos é uma quebra da longa recta de asfalto!

Neste fds que passou, ia pela A13, depois da hora de almoco do Domingo, com calor, na estrada deserta. Enquanto fazia a estrada começava a entender o pq de alguns americanos sairem do lugar do condutor das suas auto-caravanas e irem preparar uns ovos mexidos e umas salsichas enquanto percorrem as highways (escusado será dizer que estes comportamentos geram acidentes, e não, não estou a falar de ovos e de salsichas queimadas)! É que eu ainda só vou ha 10 minutos na A13 e ja apetece fazer algo do genero... E são só 74 kms, imaginem fazer centenas de kms do mesmo...

A A13 é a auto-estrada ideal pra se ir bater recordes de velocidade, pelo menos bater os nossos recordes, ou os recordes do veiculo que estamos a usar. Por varias razões: tem excelente piso e longas rectas planas; tem pouco transito; ir depressa é uma das maneiras de um gajo não morrer de tedio; e finalmente muito dificilmente seremos interpelados por carros da BT. É que nem os agentes da ordem das estradas têm paciencia pra irem pra aquela estrada!

E como é que eu faço a A13, perguntam vcs? Uso a outra alternativa que existe, ligo o Cruise-Control do carro, a 140km/h e deixo-me ir nas calmas curtindo um som porreiro e pensando em dissertar sobre algo.

Eu costumava pensar que a A2 era uma auto-estrada “chata” pelas mesmas razões que ja apontei, mas isso era pq não conhecia a A13 que leva o termo de “auto-estrada chata” para um outro nível até agora desconhecido.

Foi tb agora usando a A13 que percebi uma vez um comentario de um algarvio, que tal como eu, era adepto do tuning e possuia um Honda Civic CRX ou VTI alterado. Dizia ele uma vez que as vezes passava na A2 a velocidades na ordem dos 230 km/h de média e que ficava a suar passada meia-hora. Eu na altura sempre pensei que isso acontecia pq ele ia pra lá naquelas noites quentes de verão com o ar-condicionado desligado (pra poupar cavalos) e obviamente ao fim de algum tempo, estava com o habitaculo em brasa. Mas agora ja percebi o pq! É que agora qd vou na A13 tb ao fim de alguns minutos ja estou a suar, tal a ansiedade que acabe aquele suplicio de estrada.

Curiosamente parece que descobri um antídoto. O album “Big Ones” (que belo nome a fazer lembrar outras coisas grandes) dos Aerosmith parece fazer encurtar a A13, pelo menos foi isso que aconteceu qd vim pra cima, pois a A13 passou num instante. Ou sera que foi pq fartei-me do Cruise-Control e acabei por carregar no pedal? As tantas...

Nota do autor: Se vcs chegaram aqui devem estar a pensar que perderam alguma coisa neste blog. Pq caracas é que o primeiro post que aparece é este que surge do nada?! A resposta é simples:
Pq me apetece!
Eu disserto sobre o que quero, qd quero e onde quero! Querem que eu apresente o BaKano às massas? Esperem... Caso gostem da serie “Lost” ja estão habituados a verem coisas acontecer e mais tarde serem explicadas. Pois aqui irão ter um tratamento do genero. Esperem e serão recompensados...